De Coimbra ao Rio de Janeiro. Nadar 7.888 kms numa piscina

A iniciativa, intitulada "12 horas a nadar Coimbra-Rio de Janeiro", começa este sábado

Nadadores amadores e federados tentam somar, no sábado, nas piscinas municipais de Coimbra, os 7.888 quilómetros que separam esta cidade portuguesa do Rio de Janeiro, Brasil, onde se realizam os Jogos Olímpicos.

A iniciativa, intitulada "12 horas a nadar Coimbra-Rio de Janeiro", pretende juntar entre as 08:00 e as 20:00 amadores e federados nas piscinas municipais Luís Lopes da Conceição, Rui Abreu (apenas das 08:00 às 14:00) e Celas, procurando somar nas distâncias percorridas entre todos os quilómetros que separam as duas cidades.

Nesse dia, "os cidadãos podem utilizar as piscinas de forma gratuita", sendo que haverá técnicos a controlar os metros percorridos por cada um, disse o vereador da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), Carlos Cidade, que falava numa conferência de imprensa de apresentação da 3.ª edição das Jornadas Mendes Silva (antigo presidente da Câmara de Coimbra), que engloba esta atividade.

Para ajudar na obtenção do resultado desejado, também serão contabilizados os quilómetros realizados por nadadores profissionais no 9.º meeting internacional Cidade de Coimbra, a decorrer no Complexo Olímpico de Piscinas de Coimbra no mesmo dia, que vai contar com a equipa olímpica nacional, referiu.

Este evento é semelhante a uma iniciativa realizada em 1972, intitulada "Portugal ao Brasil", que se realizou durante 24 horas, sublinhou o vereador.

Também dentro das jornadas, será realizada uma homenagem, às 12:00, no Salão Nobre da CMC, aos atletas de Coimbra que participaram em Jogos Olímpicos e Paralímpicos, bem como a treinadores e a um médico.

António Marques, Carlos Alves, Maria Teresa Melo, Ricardo Manuel Marques, José Reinaldo Pereira e Rui Daniel Oliveira são os paralímpicos homenageados e Ana Rente, Aniceto Simões, António Botelho de Melo, Beatriz Gomes, Diogo Carvalho, Joana Ramos, João Neto, José Carvalho, Rui Abreu e Sandra Godinho são os atletas olímpicos homenageados nesse dia.

No sábado, decorre ainda o Encontro Regional do Desporto Escolar no 1.º Ciclo, que vai contar com a presença de 600 crianças, no Parque Verde do Mondego, que vão experimentar "várias modalidades", como ginástica, golfe, futebol, atletismo ou voleibol, referiu a delegada regional da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE), Cristina Oliveira.

No sábado, realizam-se também demonstrações de modalidades de clubes do concelho e de secções desportivas da Associação Académica de Coimbra, na baixa da cidade.

As Jornadas Mendes Silva são organizadas pela CMC, Clube de Comunicação Social de Coimbra, DGEstE e Associação de Natação de Coimbra.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.