Museu Michael Schumacher abre em 2018 com 20 carros do piloto

Os promotores esperam vir a atrair mais de 100 mil visitantes por ano

O museu Michael Schumacher, dedicado à coleção particular do ex-piloto alemão de Fórmula 1, abrirá as suas portas em Colónia, em abril do próximo ano, e vai fazê-lo gratuitamente, anunciou hoje a sua agente, Sabine Kehm.

"Será um 'Grand Prix' de memórias de duas décadas e a ideia é que as pessoas possam viver um pedaço de história do automobilismo", disse Sabine Kehm, acrescentando que a exposição permanente "será uma dos mais importantes do mundo nessa área".

Segundo Sabine Kehm, a família de Schumacher está "emocionada" com o local escolhido, situado no antigo aeroporto de Butzweilerhof, local que fica apenas a 30 quilómetros de Kerpen, cidade natal do antigo piloto de Fórmula 1.

Michael Schumacher, de 47 anos, por sete vezes campeão mundial de Fórmula 1, sofreu uma queda grave em 29 de dezembro de 2013, enquanto esquiava com a família e amigos em Méribel, em França.

As lesões cerebrais sofridas por Schumacher, que embateu com a cabeça numa pedra, obrigaram a manter o ex-piloto por vários meses em coma induzido. Em junho 2014 foi transferida de França para um hospital suíço e, desde setembro desse ano, prossegue a reabilitação em casa, em Gland.

O antigo aeroporto de Butzweilerhof, onde se situará o museu Michael Schumacher, vai abrigar o Motorworld Köln-Rheinland, um ponto de encontro para os amantes de carros e que irá abrir as suas portas em 2018, com um hotel temático, restaurante e salas de eventos e conferências.

A entrada para a exposição, que os promotores esperam vir a atrair mais de 100 mil visitantes por ano, será livre, gesto com que a família do atleta quer agradecer aos inúmeros seguidores do heptacampeão mundial de F1.

"Durante os anos em que esteve ativo, Michael guardou a maioria dos seus carros e muitos fatos e capacetes. Nós sempre tivemos em mente poder torná-los acessíveis ao público", disse Sabine Kehm.

O museu incluirá, além de inúmeras recordações relacionadas com o piloto, 20 carros de corrida que foram pilotados por Michael Schumacher, entre os quais os sete com que se sagrou campeão mundial.

"Eu estou grata pelo facto de podermos mostrar esta coleção aqui", disse, por sua vez, a presidente da câmara de Colônia, Henriette Reker.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.