México aposta em jogadores da Liga portuguesa

Os portistas Diego Reyes, Hector Herrera e Jesus Corona e o benfiquista Raúl Jiménez integram a lista final de convocados para o Mundial, anunciou hoje a federação mexicana.

Os quatro jogadores que jogam na I Liga portuguesa fazem parte de um lote de 15 futebolistas que atuam fora do México e que integram as escolhas do selecionador Juan Carlos Osorio.

Nas escolhas da seleção mexicana está também o lateral Miguel Layun, emprestado pelo FC Porto ao Sevilha.

Osorio deixou fora da lista final o médio Erick Gutiérrez, que, contudo, se mantém junto da equipa para o caso de Reyes ou de André Guardado não recuperarem dos problemas físicos que os têm afetado.

O veterano Rafael Marquez, de 39 anos, também se mantém na lista e vai participar pela quinta vez num campeonato do mundo, igualando o recorde do compatriota António Carbajal, do alemão Lotthar Matthaus e do italiano Gianluigi Buffon, que apesar de convocado para o Mundial de 1998 não jogou.

No Mundial2018, na Rússia, o México está integrado no Grupo F, juntamente com a campeã Alemanha, a Coreia do Sul e a Suécia.

Lista de 23 convocados:

- Guarda-redes: Guillermo Ochoa (Standard Liège/Bel), Alfredo Talavera (Toluca) e Jesús Corona (Cruz Azul).

- Defesas: Héctor Moreno (Real Sociedad/Esp), Carlos Salcedo (Eintracht Frankfurt/Ale), Hugo Ayala (Tigres), Diego Reyes (FC Porto/Por), Miguel Layún (Sevilha/Esp), Jesús Gallardo (Pumas UNAM), Edson Álvarez (América).

- Médios: Héctor Herrera (FC Porto/Por), Rafael Márquez (Atlas), Andrés Guardado (Real Betis/Esp), Giovani Dos Santos (LA Galaxy/EUA), Jonathan Dos Santos (LA Galaxy/EUA), Marco Fabián (Eintracht Frankfurt/Ale).

- Avançados: Javier Hernández (West Ham/Ing), Raúl Jiménez (Benfica/Por), Oribe Peralta (América), Hirving Lozano (PSV Eindhoven/Hol), Carlos Vela (Los Angeles FC/EUA), Jesús Corona (FC Porto/Por) e Javier Aquino (Tigres).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.