México aposta em jogadores da Liga portuguesa

Os portistas Diego Reyes, Hector Herrera e Jesus Corona e o benfiquista Raúl Jiménez integram a lista final de convocados para o Mundial, anunciou hoje a federação mexicana.

Os quatro jogadores que jogam na I Liga portuguesa fazem parte de um lote de 15 futebolistas que atuam fora do México e que integram as escolhas do selecionador Juan Carlos Osorio.

Nas escolhas da seleção mexicana está também o lateral Miguel Layun, emprestado pelo FC Porto ao Sevilha.

Osorio deixou fora da lista final o médio Erick Gutiérrez, que, contudo, se mantém junto da equipa para o caso de Reyes ou de André Guardado não recuperarem dos problemas físicos que os têm afetado.

O veterano Rafael Marquez, de 39 anos, também se mantém na lista e vai participar pela quinta vez num campeonato do mundo, igualando o recorde do compatriota António Carbajal, do alemão Lotthar Matthaus e do italiano Gianluigi Buffon, que apesar de convocado para o Mundial de 1998 não jogou.

No Mundial2018, na Rússia, o México está integrado no Grupo F, juntamente com a campeã Alemanha, a Coreia do Sul e a Suécia.

Lista de 23 convocados:

- Guarda-redes: Guillermo Ochoa (Standard Liège/Bel), Alfredo Talavera (Toluca) e Jesús Corona (Cruz Azul).

- Defesas: Héctor Moreno (Real Sociedad/Esp), Carlos Salcedo (Eintracht Frankfurt/Ale), Hugo Ayala (Tigres), Diego Reyes (FC Porto/Por), Miguel Layún (Sevilha/Esp), Jesús Gallardo (Pumas UNAM), Edson Álvarez (América).

- Médios: Héctor Herrera (FC Porto/Por), Rafael Márquez (Atlas), Andrés Guardado (Real Betis/Esp), Giovani Dos Santos (LA Galaxy/EUA), Jonathan Dos Santos (LA Galaxy/EUA), Marco Fabián (Eintracht Frankfurt/Ale).

- Avançados: Javier Hernández (West Ham/Ing), Raúl Jiménez (Benfica/Por), Oribe Peralta (América), Hirving Lozano (PSV Eindhoven/Hol), Carlos Vela (Los Angeles FC/EUA), Jesús Corona (FC Porto/Por) e Javier Aquino (Tigres).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.