Capitão da seleção peruana indignado com suspensão por doping

Paolo Guerrero disse esta quarta-feira que lhe estão "a roubar o Mundial e, talvez, "a carreira também", reagindo à decisão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) em prolongar a suspensão por doping para 14 meses.

Num vídeo publicado nas redes sociais, o avançado peruano fala de uma "vergonhosa injustiça" e revelou estar a decidir com os seus advogados as próximas ações a tomar.

"O que não se explica é como podem dar-me uma sanção de 14 meses, roubar-me o sonho de jogar um Mundial, sem justificação ou argumento", atirou.

O jogador do Flamengo vai "fazer falta" à seleção peruana, explicou a Federação Peruana de Futebol em comunicado, em que lamenta "profundamente" o sucedido e destaca a "conduta exemplar" de Guerrero, o melhor marcador da história da seleção com 32 golos.

O TAS revelou na segunda-feira ter aceitado o recurso da Agência Mundial Antidopagem (AMA) para aumentar o castigo de seis meses aplicado pela FIFA ao avançado, que poderia regressar à competição ainda este mês.

De acordo com o tribunal, o castigo agora aplicado a Guerrero é "apropriado" para o "nível de culpa" do avançado, que deveria capitanear o Peru no seu regresso 36 anos depois a um Mundial.

Guerrero acusou uso de substâncias dopantes em 05 de outubro de 2017, num jogo de apuramento para o Mundial 2018 frente à Argentina, tendo ficado suspenso provisoriamente em 03 de novembro.

Em sua defesa, Guerrero, que só vai voltar à competição em janeiro, tinha alegado que tinha consumido um chá contaminado.

No Mundial 2018, que se disputa de 14 de junho a 15 de julho, o Peru está integrado no Grupo C, juntamente com a França, a Austrália e a Dinamarca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.