O golo anulado pelo sheik do Koweit no Mundial de Espanha

Em 1982, o jogo entre Koweit e a França ficou marcado por um momento insólito. No entanto, não foi o único momento "estranho" da competição

O episódio insólito de um apito 'fantasma' e um golo anulado por um sheik do Koweit marcaram o Mundial de futebol de 1982, no célebre jogo entre a França e a equipa do continente asiático, na primeira fase.

Tudo aconteceu na cidade espanhola de Valladolid, na segunda jornada do Grupo 4, com a França a querer recuperar do desaire na estreia com Inglaterra (3-1) e o Koweit a tentar confirmar o estatuto de equipa surpresa, depois do empate inesperado com a Checoslováquia (1-1).

Já na fase final do jogo, com o resultado em 3-1 a favor dos franceses, Alain Giresse fez mais um golo para os 'bleus', num lance totalmente regular, perante uma defesa do Koweit que subitamente desistiu de disputar o lance.

"Festejámos o golo, mas vimos que algo estava a acontecer. Os jogadores do Koweit foram todos rapidamente para perto da bancada e, lá em cima, estava alguém a acenar. Os jogadores indicavam que tinham ouvido o apito do árbitro e, por isso, pararam", contou Giresse.

Perante os protestos, o árbitro, o soviético Miroslav Stupar, não reiniciou a partida, e, subitamente, ao seu lado tinha o sheik Fahad Al-Ahmed Al-Jaber Al-Sabah, irmão do Emir do Koweit e presidente da federação de futebol desse país.

"Saiu das bancadas, dirigiu-se ao relvado e chegou ao pé do árbitro sem qualquer tipo de restrição. A polícia até pareceu que fez um cordão de segurança para ele chegar perto do árbitro", lembrou Giresse.

Poucos segundos depois, o árbitro invalidou mesmo o golo, perante a fúria dos franceses, que levou à intervenção das forças policiais.

"Para o sheik entrar em campo, tudo bem, para jogadores e treinador a polícia já existiu. Foi surreal", acrescentou o antigo médio.

Mesmo assim, até final, Maxime Bossis fez novo tento para a França, que venceu a partida por 4-1, chegando mais tarde às meias-finais da competição, enquanto o Koweit ficou pelo caminho.

Este não foi o único episódio 'estranho' do Mundial de 1982, em Espanha, já que Alemanha e Áustria protagonizaram o que é lembrando como a "vergonha de Gijón", com os germânicos a vencerem o duelo por 1-0, resultado que permitiu o apuramento das duas seleções, perante a 'fúria' da Argélia.

Tudo aconteceu no último jogo do Grupo 2, numa altura em que os encontros da derradeira ronda do mesmo agrupamento ainda se desenrolavam em dias ou horários diferentes. Na véspera, a Argélia tinha vencido o Chile, por 3-2, resultado que deixou os africanos perto do apuramento.

Alemanha e Áustria entraram em campo no dia seguinte, sabendo que uma vitória dos germânicos por um ou dois golos resultaria no apuramento das duas equipas. E tal aconteceu.

A Alemanha marcou por Horst Hrubesch logo aos 10 minutos e, depois disso, as duas equipas praticamente 'desistiram' de jogar, o que levou à fúria dos 41 mil espetadores, tanto espanhóis, como afeto às duas seleções, que estava no El Molinón.

Os comentadores das televisões germânicas e austríacas que estavam a transmitir a partida deixaram mesmo de falar, após terem aconselhado os telespetadores a mudar de canal ou desligar os aparelhos, tal o espetáculo "deplorável" que estava a acontecer.

Contudo, os responsáveis dos dois países negaram sempre qualquer tipo de combinação.

Eliminada, a Argélia protestou o jogo junto da FIFA, que recusou anular o resultado, mas alterou as regras dos jogos das últimas jornadas da fase de grupos, que a partir deste episodio começaram a ser disputados sempre no mesmo dia e à mesma hora.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.