O golo anulado pelo sheik do Koweit no Mundial de Espanha

Em 1982, o jogo entre Koweit e a França ficou marcado por um momento insólito. No entanto, não foi o único momento "estranho" da competição

O episódio insólito de um apito 'fantasma' e um golo anulado por um sheik do Koweit marcaram o Mundial de futebol de 1982, no célebre jogo entre a França e a equipa do continente asiático, na primeira fase.

Tudo aconteceu na cidade espanhola de Valladolid, na segunda jornada do Grupo 4, com a França a querer recuperar do desaire na estreia com Inglaterra (3-1) e o Koweit a tentar confirmar o estatuto de equipa surpresa, depois do empate inesperado com a Checoslováquia (1-1).

Já na fase final do jogo, com o resultado em 3-1 a favor dos franceses, Alain Giresse fez mais um golo para os 'bleus', num lance totalmente regular, perante uma defesa do Koweit que subitamente desistiu de disputar o lance.

"Festejámos o golo, mas vimos que algo estava a acontecer. Os jogadores do Koweit foram todos rapidamente para perto da bancada e, lá em cima, estava alguém a acenar. Os jogadores indicavam que tinham ouvido o apito do árbitro e, por isso, pararam", contou Giresse.

Perante os protestos, o árbitro, o soviético Miroslav Stupar, não reiniciou a partida, e, subitamente, ao seu lado tinha o sheik Fahad Al-Ahmed Al-Jaber Al-Sabah, irmão do Emir do Koweit e presidente da federação de futebol desse país.

"Saiu das bancadas, dirigiu-se ao relvado e chegou ao pé do árbitro sem qualquer tipo de restrição. A polícia até pareceu que fez um cordão de segurança para ele chegar perto do árbitro", lembrou Giresse.

Poucos segundos depois, o árbitro invalidou mesmo o golo, perante a fúria dos franceses, que levou à intervenção das forças policiais.

"Para o sheik entrar em campo, tudo bem, para jogadores e treinador a polícia já existiu. Foi surreal", acrescentou o antigo médio.

Mesmo assim, até final, Maxime Bossis fez novo tento para a França, que venceu a partida por 4-1, chegando mais tarde às meias-finais da competição, enquanto o Koweit ficou pelo caminho.

Este não foi o único episódio 'estranho' do Mundial de 1982, em Espanha, já que Alemanha e Áustria protagonizaram o que é lembrando como a "vergonha de Gijón", com os germânicos a vencerem o duelo por 1-0, resultado que permitiu o apuramento das duas seleções, perante a 'fúria' da Argélia.

Tudo aconteceu no último jogo do Grupo 2, numa altura em que os encontros da derradeira ronda do mesmo agrupamento ainda se desenrolavam em dias ou horários diferentes. Na véspera, a Argélia tinha vencido o Chile, por 3-2, resultado que deixou os africanos perto do apuramento.

Alemanha e Áustria entraram em campo no dia seguinte, sabendo que uma vitória dos germânicos por um ou dois golos resultaria no apuramento das duas equipas. E tal aconteceu.

A Alemanha marcou por Horst Hrubesch logo aos 10 minutos e, depois disso, as duas equipas praticamente 'desistiram' de jogar, o que levou à fúria dos 41 mil espetadores, tanto espanhóis, como afeto às duas seleções, que estava no El Molinón.

Os comentadores das televisões germânicas e austríacas que estavam a transmitir a partida deixaram mesmo de falar, após terem aconselhado os telespetadores a mudar de canal ou desligar os aparelhos, tal o espetáculo "deplorável" que estava a acontecer.

Contudo, os responsáveis dos dois países negaram sempre qualquer tipo de combinação.

Eliminada, a Argélia protestou o jogo junto da FIFA, que recusou anular o resultado, mas alterou as regras dos jogos das últimas jornadas da fase de grupos, que a partir deste episodio começaram a ser disputados sempre no mesmo dia e à mesma hora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.