Neymar diz que vai estar"em forma" e aponta Brasil como favorito

O avançado brasileiro, que está a recuperar de lesão, garantiu esta segunda-feira que vai chegar ao Campeonato do Mundoo "em forma" e apontou o Brasil como o principal favorito a vencer o troféu na Rússia.

"Estou muito satisfeito por fazer parte de uma seleção que, na minha opinião, é a mais forte que vai estar no Campeonato do Mundo. Temos a qualidade necessária para ganhar a prova", disse Neymar, numa pequena entrevista ao site oficial da FIFA.

Parado desde fevereiro devido a uma lesão no pé, o avançado do Paris Saint-Germain assumiu que tem saudades de jogar, mas lembrou que a paragem até pode ser positiva.

"Tenho mais que tempo para recuperar e chegar em boa forma e preparado ao Mundial. Estar lesionado não é bom, mas pelo menos sinto-me descansado e isso é bom", referiu o jogador de 26 anos.

Neymar, que é o quarto melhor marcador da história da seleção brasileira, considerou que jogadores como o egípcio Mo Salah, o belga Eden Hazard e o uruguaio Luís Suárez podem destacar-se no próximo Campeonato do Mundo, além dele próprio, Cristiano Ronaldo e Lionel Messi.

"Estamos a falar da mais importante competição do mundo, que junta os melhores do mundo. O Coutinho e o Gabriel Jesus são jogadores que podem ter impacto e espero que tenham. Salah não está numa das seleções mais forte, mas pode fazer um bom torneio, o mesmo acontecendo com o Hazard, o De Bruyne e o Suárez. Acho que vão brilhar, menos contra o Brasil", referiu.

O Brasil vai defrontar a Suíça, a Costa Rica e a Sérvia no Grupo E.

O Mundial 2018 terá inicio no dia 14 de junho e tem a final marcada para o dia 15 de julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.