Maradona: "Sofri uma descompensação. Desculpem o susto"

O lendário ex-futebolista, que na terça-feira assistiu à vitória da Argentina frente à Nigéria (2-1), que qualificou os sul-americanos para os oitavos de final do Mundial 2018, negou ter sido hospitalizado após o jogo.

"Quero dizer-vos que estou bem, não estou, nem estive internado. No intervalo do jogo com a Nigéria, tinha dores no pescoço e sofri uma descompensação", declarou o ex-selecionador e antiga estrela da Argentina, na sua página oficial do Instagram.

No fim do jogo, o ex-jogador, campeão do Mundo em 1986, recebeu assistência médica ao abandonar as instalações do estádio de São Petersburgo e muitos foram os rumores de que tinha sido hospitalizado.

O golo de Marcos Rojo, aos 86 minutos, deu a vitória à Argentina, com as imagens televisivas a mostrarem Maradona a fazer gestos ofensivos com as mãos, na comemoração do lance que daria o apuramento à equipa argentina.

"Fui observado por um médico e ele recomendou-me que fosse para casa antes da segunda parte, mas eu quis ficar porque estávamos a jogar o tudo ou nada. Quero mandar um beijo para todos, desculpem o susto e obrigado", adiantou Maradona.

No jogo, Messi inaugurou o marcador, aos 14 minutos, mas a Nigéria ainda empatou de grande penalidade, aos 51, por Victor Moses, antes de Rojo, ex-jogador do Sporting, devolver a esperança à Argentina.

Nos oitavos, a Argentina vai defrontar a França, finalista vencida do Euro 2016, frente a Portugal (1-0), no sábado, às 15:00 (horas de Lisboa), em Kazan.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.