Egito "confiante" na recuperação de Salah

A Federação Egípcia de Futebol (EFA) mostrou-se hoje "otimista" quanto à participação de Mohamed Salah no Mundial de 2018, depois lesão sofrida pelo jogador do Liverpool no sábado, na final da Liga dos Campeões.

"Com base no diagnóstico" que foi fornecido à federação, o médico da seleção egípcia, Mohamed Abou al-Ala "exprimiu o seu otimismo", escreveu no Twitter a EFA, algumas horas depois do desaire dos ingleses face ao Real Madrid (3-1), em Kiev.

De acordo com a EFA, e face às informações fornecidas pelo clube da 'Premier League', trata-se de uma "lesão nos ligamentos da articulação do ombro".

Mohamed Salah teve de ser substituído aos 31 minutos da final da 'Champions', após uma queda que envolveu o defesa 'merengue' Sergio Ramos, que a imprensa egípcia apelida hoje de "carniceiro", não lhe perdoando entrada sobre o 11 dos 'reds'.

No final do encontro, o treinador do Liverpool, o alemão Jürgen Klopp não se mostrava muito otimista: "Perdemos um jogador importante e o Egito pode ter perdido um jogador importante para a fase final do Mundial".

O Egito está pela primeira vez, desde 1990, na fase final de um Mundial e integra o Grupo A, juntamente com a anfitriã Rússia, o Uruguai e a Arábia Saudita, sendo que Salah é a grandes 'estrela' dos 'faraós'.

O Mundial de futebol de 2018 realiza-se na Rússia, de 14 de junho a 15 de julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".