Bruno Alves: "Com o Uruguai vai ser muito difícil"

"Portugal tem capacidade e qualidade para vencer qualquer equipa", garante o defesa central na antevisão ao jogo dos oitavos-de-final com o Uruguai no sábado, às 19:00

O futebolista internacional português Bruno Alves desvalorizou esta quinta-feira o facto de Portugal ter calhado no lado 'mau' da grelha competitiva do Mundial 2018, realçando o estímulo de enfrentar as seleções mais poderosas.

"Bonito é jogar contra as melhores equipas e poder superá-las. Acredito nisso, que Portugal tem capacidade e qualidade para vencer qualquer equipa e vamos preparar-nos para defrontar qualquer adversário", disse.

Na antevisão do desafio de sábado, frente ao Uruguai, em Sochi, que vale um lugar nos quartos-de-final, o defesa central, que ainda não jogou na competição, sublinha, no entanto, a "importância" da seleção se focar num o objetivo de cada vez.

"Primeiro temos de pensar neste jogo. Com o Uruguai, vai ser muito difícil e temos de vencer. Depois veremos o que vai acontecer. No campeonato do Mundo estão as melhores equipas. Mais cedo ou mais tarde vamos ter de as defrontar", complementou.

Este campeonato do mundo tem demonstrado que não há jogos fáceis. A eliminação da Alemanha é a prova disso mesmo

Independentemente do lado do esquema competitivo, Bruno Alves acredita que não haveria facilidades, como o comprova o afastamento da campeã do Mundo, Alemanha, com o último lugar no seu grupo, que incluía ainda Suécia, México e Coreia do Sul.

"Este campeonato do mundo tem demonstrado que não há jogos fáceis. A eliminação da Alemanha é a prova disso mesmo. O nosso foco é Portugal. É preparar-nos diariamente para os nossos jogos, acreditando que podemos estar na próxima fase. O que acontece com as outras formações é para vermos e analisarmos, mas não é importante para nós", vincou.

Portugal e Uruguai defrontam-se no sábado às 21:00, 19:00 em Lisboa, em jogo dos oitavos de final do Mundial 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.