"Temos todas as condições para poder ir até ao fim"

"Ronaldo, Ronaldo, Ronaldo, foi três vezes o melhor. Ao virarmos esse resultado no fim do jogo, dá uma confiança enorme para Moscovo, onde lá estarei", disse o chefe de Estado

O Presidente da República considerou hoje que o empate (3-3) com a Espanha na estreia no Mundial da Rússia foi "um milagre muito motivador" para Portugal, que agora tem "todas as condições para poder ir até ao fim".

Ter o melhor do mundo fez a diferença

No final do jogo, a que assistiu no Terreiro do Paço, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa declarou aos jornalistas que "um empate assim tem um sabor a vitória" e destacou a prestação de Cristiano Ronaldo, que marcou os três golos da seleção portuguesa: "ter o melhor do mundo fez a diferença".

Se jogarmos acima um pouco daquilo que jogámos e com o Ronaldo a jogar tão bem como está a jogar, nós podemos ir, porventura, até onde não imaginaríamos

"Ronaldo, Ronaldo, Ronaldo, foi três vezes o melhor. Ao virarmos esse resultado no fim do jogo, dá uma confiança enorme para Moscovo, onde lá estarei", disse.

Questionado sobre o que dirá à equipa antes desse jogo em Moscovo contra Marrocos, no dia 20, o chefe de Estado adiantou: "Quando chegar lá eu vou dizer que, tendo empatado com a Espanha, que é uma das grandes equipas, temos todas as condições para poder ir até ao fim. Todas as condições".

"Se jogarmos acima um pouco daquilo que jogámos e com o Ronaldo a jogar tão bem como está a jogar, nós podemos ir, porventura, até onde não imaginaríamos", sustentou.

Um empate assim tem um sabor a vitória

Marcelo Rebelo de Sousa assistiu ao Portugal-Espanha numa tribuna montada no Terreiro do Paço, tendo ao seu lado direito o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e à esquerda o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, e quando se ouviu o apito final celebrou cerrando os punhos e batendo palmas.

Embora desejando a vitória de Portugal, o Presidente da República tinha apostado num empate com Espanha, 0-0 ou 1-1, e depois de sofrer com a seleção portuguesa a perder, congratulou-se com o resultado: "Um empate assim tem um sabor a vitória".

Deus escreve direito por linhas tortas. E neste caso nem foi uma linha torta, foi o melhor do mundo

"Para o moral da equipa é muito importante, porque estar a perder depois de ter estado a ganhar duas vezes e dar a volta dá uma grande confiança para os jogos seguintes", argumentou.

O chefe de Estado apontou Espanha como "uma das três melhores equipas do mundo", mas também realçou a qualidade de Cristiano Ronaldo: "Deus escreve direito por linhas tortas. E neste caso nem foi uma linha torta, foi o melhor do mundo".

"Eu acho que já deu sorte estarmos aqui no Terreiro do Paço, permitiu este empate miraculoso. Estava muita gente a sentir aquilo que eu estava a sentir, quer dizer, éramos milhares a estarmos alegres em certos momentos e a sofrermos uma loucura noutros momentos", descreveu.

Antes do jogo, Marcelo Rebelo de Sousa esteve numa esplanada junto ao Terreiro do Paço e dali foi ter a pé com Fernando Medina e com o ministro Pedro Marques, que estavam na Praça do Município.

"Isto é uma boa 'troika'", comentou então o Presidente da República.

Portugal vai defrontar Marrocos, em Moscovo, no dia 20, quarta-feira

O chefe de Estado revelou ter falado com o rei de Espanha, Felipe VI, e tê-lo incentivado a ir ver o jogo de hoje ao vivo na Rússia, onde o Estado português esteve representado pelo presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues.

Otimista quanto ao percurso da seleção portuguesa neste Campeonato do Mundo de Futebol, disse que "aos oitavos de final vai o primeiro-ministro", acrescentando: "Nos quartos-de-final, aí temos de discutir, o presidente da Assembleia da República e eu, se vai um ou outro. Ah, e se for à final, vamos os três. A data está reservadíssima, não tenho nada marcado nesse dia".

A equipa portuguesa, campeã europeia em título, integra o Grupo B da fase final do Mundial da Rússia e, após o jogo de hoje com Espanha, vai defrontar Marrocos, em Moscovo, no dia 20, e o Irão, treinado pelo português Carlos Queiroz, em Saransk, no dia 25 de junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).