Presidente da República felicita Nelson Évora por "notável prestação"

O Presidente da República felicitou na quinta-feira à noite Nelson Évora pela conquista da medalha de bronze nos Mundiais de Atletismo, considerando que se trata de mais "uma notável prestação" do atleta, que destaca a sua "enorme perseverança".

"Após a obtenção do Ouro no Campeonato Europeu de Pista Coberta em março último, esta é mais uma notável prestação do atleta português que destaca a sua enorme perseverança e dedicação a esta modalidade, na qual, apesar de todas as contrariedades, se mantém ao mais alto nível há mais de uma década, projetando o atletismo e o desporto português", lê-se numa mensagem do chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, divulgada no 'site' da Presidência da República.

O português Nelson Évora conquistou na quinta-feira a medalha de bronze no triplo salto dos Mundiais de atletismo, em Londres, com uma marca de 17,19 metros.

O português conseguiu a sua melhor marca à segunda tentativa, depois de ter começado o concurso com 17,02 metros. Seguiram-se um salto a 16,58 e dois nulos, terminando com uma marca de 16,01.

Nelson Évora ficou atrás dos norte-americanos Christian Taylor (17,38), que conquistou o terceiro título mundial, e Will Claye (17,63).

Esta foi a quarta medalha de Nelson Évora em Mundiais, repetindo o bronze de há dois anos, em Pequim, depois de ter sido campeão em 2007 e medalha de prata em 2009.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...