Portugal chega às 18 medalhas

A medalha de bronze conquistada em Londres por Nelson Évora é a 18.ª posição de pódio de sempre de Portugal no certame

Só para Nelson, é a quarta, assegurando todas as honras desde 2007. Nesse ano foi campeão, em 2009 vice-campeão e em 2015 e 2017 chega ao bronze.

Ainda com possibilidades de pódio nas provas de marcha em Londres2017, Portugal continua a ter nas edições de 1995 e 1997 os seus melhores anos, com quatro medalhas em Gotemburgo e outras tantas em Atenas.

Com o sucesso desta quinta-feira, Nelson Évora iguala Fernanda Ribeiro no top dos mais medalhados, com quatro. A seguir aparecem Manuela Machado, com três, Carla Sacramento, com duas, e Rosa Mota, Domingos Castro, Carlos Calado, Rui Silva e Susana Feitor, com uma.

As 18 medalhas de Portugal em Mundiais de atletismo:

- Roma'87

Ouro - Rosa Mota (Maratona)

Prata - Domingos Castro (10.000)

- Estugarda'93

Prata - Manuela Machado (Maratona)

- Gotemburgo'95

Ouro - Fernanda Ribeiro (10.000 metros)

Ouro - Manuela Machado (Maratona)

Prata - Fernanda Ribeiro (5.000 metros)

Bronze - Carla Sacramento (1.500 metros)

- Atenas'97

Ouro - Carla Sacramento (1.500 metros)

Prata - Fernanda Ribeiro (10.000 metros)

Prata - Manuela Machado (Maratona)

Bronze - Fernanda Ribeiro (5.000 metros)

- Edmonton2001

Bronze - Carlos Calado (comprimento)

- Helsínquia2005

Bronze - Rui Silva (1.500 metros)

Bronze - Susana Feitor (20 km marcha)

- Osaca2007

Ouro - Nelson Évora (Triplo)

- Berlim2009

Prata - Nelson Évora (Triplo)

- Pequim2015

Bronze - Nelson Évora (Triplo)

- Londres2017

Bronze - Nelson Évora (Triplo)

Total: 18

Ouro - 5

Prata - 6

Bronze - 7

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.