Mourinho em tribunal em novembro, acusado de defraudar o fisco

O fisco fez chegar à Procuradoria um relatório, segundo o qual se indica que o treinador assinou um contrato de cedência de direitos de imagem a uma sociedade nas Ilhas Virgens

O tribunal de instrução número 4 de Pozuelo de Alarcón, em Madrid, intimou José Mourinho a comparecer em 03 de novembro, num processo em que o treinador é acusado de defraudar o fisco em 3,3 milhões de euros.

Fontes jurídicas adiantaram à agência de notícias EFE que o juiz convocou José Mourinho, antigo técnico português do Real Madrid, entre 2010 e 2013, para se apresentar às 10:00, e que em causa está um alegado delito contra o fisco espanhol.

A decisão segue-se à denúncia da Secção de delitos económicos da Procuradoria de Madrid contra o treinador, num alegado 'desvio' de verbas provenientes dos seus direitos de imagem.

De acordo com a Procuradoria, Mourinho lesou o fisco no imposto a cobrar sobre o rendimento nos exercícios de 2011 e 2012, quando estava nos 'merengues', numa quantia que ultrapassa os 3,3 milhões de euros.

O fisco fez chegar à Procuradoria um relatório, segundo o qual se indica que Mourinho, antes de 17 de setembro de 2004, assinou um contrato de cedência de direitos de imagem a uma sociedade nas Ilhas Virgens e, posteriormente, novos contratos com outras empresas.

"Todas estas estruturas societárias foram utilizadas pelo acusado com o objetivo de tornar opacos os benefícios provenientes dos seus direitos de imagem", indicou a Procuradoria.

Em 31 de março de 2010, o treinador português assinou contrato de trabalho com o Real Madrid e transferiu residência para a capital espanhola, motivo pelo qual adquiriu a condição de residente fiscal em Espanha, período em que declarou impostos, mas sem o fazer em relação à cedência de direitos de imagem.

O fisco espanhol comunicou em 23 de julho de 2014 a Mourinho a abertura de investigação em relação aos rendimentos nos exercícios de 2012/2014, e de não residentes em 2013, chegando à conclusão da alegada não tributação nos direitos de imagem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.