Mourinho faz "mea culpa" e paga 800 mil ao fisco espanhol

Treinador admitiu ter cometido dois crimes e chegou a acordo

O treinador português José Mourinho chegou a um acordo com o Ministério Público para encerrar o processo judicial em que é acusado de por fraude fiscal. O atual técnico do Manchester United admitiu ter cometido dois crimes contra o Tesouro espanhol durante o período em que treinou o Real Madrid, no que diz respeito aos direitos de imagem. Mourinho acedeu a pagar 800 mil euros em coimas.

A notícia é avançada esta terça-feira pelo jornal espanhol El Mundo e refere que desta forma é comutada a sentença de prisão que foi fixada em 12 meses.

Segundo a mesma fonte, que cita fontes próximas do processo, o acordo já está fechado e será formalizado nas próximas semanas.

O treinador já tinha sido investigado em 2011 e 2012 devido a esta situação, que remete para um valor não declarado de cerca de 3,3 milhões de euros, sendo que em 2015 pagou 4,4 milhões de euros pela via administrativa.

Depois disso, a investigação da 'Football Leaks', levada a cabo por uma rede internacional de órgãos de comunicação social (EIC), levou à reabertura do processo pela existência de novos dados, nomeadamente o facto de Mourinho ter apresentado declarações em 2011 e 2012 "com o objetivo de obter um benefício ilícito" ao não declarar os direitos de imagem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.