Mourinho faz "mea culpa" e paga 800 mil ao fisco espanhol

Treinador admitiu ter cometido dois crimes e chegou a acordo

O treinador português José Mourinho chegou a um acordo com o Ministério Público para encerrar o processo judicial em que é acusado de por fraude fiscal. O atual técnico do Manchester United admitiu ter cometido dois crimes contra o Tesouro espanhol durante o período em que treinou o Real Madrid, no que diz respeito aos direitos de imagem. Mourinho acedeu a pagar 800 mil euros em coimas.

A notícia é avançada esta terça-feira pelo jornal espanhol El Mundo e refere que desta forma é comutada a sentença de prisão que foi fixada em 12 meses.

Segundo a mesma fonte, que cita fontes próximas do processo, o acordo já está fechado e será formalizado nas próximas semanas.

O treinador já tinha sido investigado em 2011 e 2012 devido a esta situação, que remete para um valor não declarado de cerca de 3,3 milhões de euros, sendo que em 2015 pagou 4,4 milhões de euros pela via administrativa.

Depois disso, a investigação da 'Football Leaks', levada a cabo por uma rede internacional de órgãos de comunicação social (EIC), levou à reabertura do processo pela existência de novos dados, nomeadamente o facto de Mourinho ter apresentado declarações em 2011 e 2012 "com o objetivo de obter um benefício ilícito" ao não declarar os direitos de imagem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.