Morreu José Torres

O ex-jogador do Benfica tinha 71 anos e sofria de doença de Alzheimer. O funeral realiza-se amanhã na Amadora

O antigo futebolista internacional português José Torres, que sofria de doença de Alzheimer há vários anos, morreu hoje, aos 71 anos, disse à Lusa fonte familiar. O funeral realiza-se amanhã, pelas 11:30, no cemitério da Amadora.

O corpo do antigo jogador estará em câmara ardente, na Igreja da Amadora, a partir das 18:00 de hoje.

O Benfica, através do site oficial, lamentou a morte do antigo jogador e enviou condolências à família e amigos. 'Neste momento de profunda tristeza para os adeptos de futebol, em particular para os benfiquistas, o Sport Lisboa e Benfica endereça as mais sentidas condolências à família e amigos de José Torres'.

Nascido a 8 de de Setembro de 1938, em Torres Novas, o antigo avançado, que representou o Benfica entre 1959 e 1971, estava internado no Hospital dos Lusíadas, em Lisboa, há 15 dias.

O 'Bom Gigante', como era conhecido, iniciou a sua carreira no Torres Novas (1957-1959), esteve 12 épocas no Benfica e passou depois pelo Vitória de Setúbal (1971-1975), antes de terminar a carreira no Estoril-Praia (1975-1980).

Ao serviço dos 'encarnados', José Torres sagrou-se campeão nacional nove vezes, ganhou a Taça de Portugal em três ocasiões e participou nas finais da Taça dos Campeões Europeus de 1963, 1965 e 1968, em que o Benfica foi derrotado.

Na selecção nacional, que representou entre 1963 e 1973 (com 14 golos em 34 jogos), fez parte dos 'magriços' que alcançaram o terceiro lugar no Mundial de 1966, em Inglaterra, tendo alinhado nos seis jogos da fase final.

Como treinador, José Torres foi seleccionador nacional, garantindo a presença no Mundial do México 86, tendo orientado Estrela da Amadora, Varzim e Boavista.



Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.