Morreu Edu Ferreira, jogador do Boavista

O jovem ponta de lança do Boavista tinha 20 anos

O futebolista do Boavista Edu Ferreira, de 20 anos, a quem tinha sido diagnosticado um tumor no fémur da perna direita em novembro de 2016, morreu hoje no Hospital de Santo António, no Porto.

"Edu partiu, mas nunca nos vai deixar! Compreender a partida pode ser algo muito difícil, principalmente quando a tristeza bate à nossa porta porque acabamos de perder um dos nossos", lê-se no comunicado em que o Boavista informou a morte do seu atleta.

Edu interromper a sua carreira desportiva logo que a sua doença foi conhecida e desde então submeteu-se a tratamento.

A notícia da doença tinha sido referida pelo clube, em novembro do ano passado, que na altura abriu uma conta solidária "cumprindo escrupulosamente o contrato desportivo em vigor e apoiando-o em todas as necessidades clínicas".

O jovem Edu, como é conhecido Eduardo Ferreira, subiu na época na época 2016/17 da equipa de Sub-19 para o plantel profissional do Boavista.

O bom momento de carreira que vivia foi travado por "uma doença do foro oncológico, que nada tem a ver com a prática desportiva", frisava o clube nessa mensagem de novembro.

Esta é mensagem hoje divulgada pelo Boavista

"Edu partiu, mas nunca nos vai deixar!

Compreender a partida pode ser algo muito difícil, principalmente quando a tristeza bate à nossa porta porque acabamos de perder um dos nossos.

Dedicaremos este dia para relembrar os bons momentos que foram compartilhados.

Que a dor da nossa perda possa ser diminuída a cada dia e que, daqui para frente, esta ausência se transforme em boas recordações e seja capaz de fortalecer ainda mais os laços da nossa família.

O vazio que ficou jamais será preenchido nos nossos corações. Hoje, há mais uma estrela no Céu.

Descansa em Paz, Edu!"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.