Moreirense-FC Porto. Os golos, os casos e os melhores momentos

O FC Porto apurou-se hoje para as meias-finais da Taça de Portugal em futebol, ao vencer em casa do Moreirense, por 2-1, encontrando o Sporting na próxima fase.

Os mexicanos Hector Herrera (08 minutos) e Miguel Layun (20) marcaram os golos dos 'dragões', com o brasileiro Edno (73) a reduzir para os 'cónegos'.

Na meia-final, que se vai disputar a duas mãos, o FC Porto vai defrontar o Sporting, que, na quarta-feira, venceu fora o Cova da Piedade, da II Liga, por 2-1.

Na outra meia-final vão estar dois estreantes, o primodivisionário Desportivo das Aves e o Caldas, do Campeonato de Portugal, terceiro escalão do qual veio também o Farense, eliminado pelo conjunto do distrito de Leiria, por 3-2, após grandes penalidades.

O Desportivo das Aves afastou o Rio Ave, em Vila do Conde, por 5-4 no desempate por grandes penalidades, após uma igualdade a três no final dos 90 minutos e um empate a quatro após o prolongamento.

A primeira mão das meias-finais disputa-se em 27 ou 28 de fevereiro ou em 01 de março, enquanto a segunda mão está marcada para 17, 18 ou 19 de abril.

Os golos

Golo de Herrera! Está feito o primeiro! Soares luta pela bola à entrada da área e consegue desmarcar Herrera. O mexicano desvia a bola de Jhonatan para inaugurar o marcador.

Cruzamento de Brahimi tirado do lado esquerdo do ataque azul e branco, a defesa do Moreirense alivia a bola para a entrada da área onde surge Miguel Layún, oportuno, a rematar rasteiro para o fundo da baliza de Jhonatan.

Cruzamento da esquerda de Tozé e Edno a saltar sozinho no primeiro poste a reduzir para a equipa de Moreira de Cónegos!

Os casos

Hernâni cai na grande área e pede-se grande penalidade. O árbitro manda seguir o jogo.

Hernâni passa por 4 adversários e já na área cai no duelo com Ruben Lima reclamando falta, mas o árbitro entende que nada aconteceu e manda seguir.

Os melhores momentos

Ronaldo Costa isola Pena com o jogador do Moreirense a correr e a rematar para defesa com os pés de Casillas. Na recarga, Zizo atira ao lado.

Tozé ao lado! O médio do Moreirense pega na bola à entrada da área e atira forte à baliza de Casillas, que estava atento ao lance.

Novamente Tozé, desta feita a surgir solto no lado esquerdo mas a rematar fraco à figura de Casillas.

Remate de Alex Telles, de longe, com a bola a sair muito alta.

Layun em jogada individual atira rasteiro para defesa de Jhonatan.

Livre de Layun e Soares a desviar por cima já na pequena área. O que desperdiça o brasileiro!

Novamente Soares! Maxi a cruzar na direita e Soares sozinho a cabecear ao lado!

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.