Michel Platini chama "palhaços" a juízes da FIFA e do TAS

Ex-presidente da UEFA não se conforma com a suspensão de funções e defende, em entrevista, que a FIFA e o TAS não têm "juízes verdadeiros"

O ex-presidente da UEFA Michel Platini disse que a FIFA e o Tribunal Arbitral Desportivo (TAS) não têm "juízes verdadeiros" e acredita que acabará por ter a razão do seu lado, em entrevista à revista Marianne.

O antigo dirigente e futebolista internacional francês foi suspenso de qualquer atividade relacionada com futebol em maio de 2016, tendo, em junho do ano passado, visto o Tribunal Federal Suíço confirmar esta decisão.

"Não posso aceitar perder quando não fiz nada, tendo ainda sido impedido de trabalhar por quatro anos no futebol. Quem é que são esses palhaços para me impedirem de trabalhar?", questionou o Platini.

Em janeiro, Platini recorreu da decisão para o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

"Estou à espera das grandes decisões, das reais, das do promotor público suíço, ele é que fez uma investigação sobre esse pagamento supostamente desleal", acrescentou.

Platini foi suspenso de funções, na sequência do escândalo do pagamento de 1,8 milhões de euros em 2011 por suposto trabalho de consultadoria, sem um contrato escrito, pedido por Joseph Blatter (ex-presidente da FIFA) realizado pelo francês em 2002.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.