Messi, Bale e Robben são estrelas em risco para o Mundial 2018

Trio de esquerdinos talentosos pode falhar a presença no principal palco do futebol mundial, no próximo ano, na Rússia, devido à fraca campanha das respetivas seleções

A recente jornada de seleções na caminhada de qualificação para o Mundial de 2018 deu à estampa o renascido Brasil de Tite como o primeiro país com passaporte carimbado em campo para essa viagem até à Rússia. Neymar e companhia já podem celebrar, mas a última data FIFA fez levantar preocupações em relação à possível ausência de outros grandes nomes do futebol mundial. Com Messi à cabeça.

A estrela argentina e do Barcelona viu, desde fora, a sua seleção cair na altitude de La Paz, na Bolívia (por 2-0), e tombar para o quinto lugar na zona sul-americana (CONMEBOL), no limite do risco. Mas Messi não é o único grande nome sob ameaça nesta altura. Na Europa, há outros dois talentosos esquerdinos em situação ainda pior: Gareth Bale (País de Gales) e Arjen Robben (Holanda), cujas seleções estão atualmente fora dos lugares que podem dar acesso ao mundial.

No caso de Messi, o atual quinto lugar da Argentina na qualificação sul-americana ainda dá acesso ao play-off intercontinental contra o vencedor da zona da Oceânia, onde a Nova Zelândia é a seleção mais cotada desde que a Austrália passou a disputar a qualificação asiática. Mas o cenário alviceleste ficou bem mais sombrio com o pesado castigo aplicado pela FIFA à grande estrela argentina.

Messi foi suspenso por quatro partidas, na sequência de insultos a um árbitro auxiliar, e já falhou, por isso, o jogo na Bolívia. Se o castigo não for revisto [a Argentina anunciou recurso], o jogador do Barça falhará ainda a deslocação ao Uruguai e as receções a Venezuela e Peru, regressando apenas para a última jornada de apuramento, no Equador.

Ora, sem Messi, a Argentina não é a mesma coisa, diz-nos o senso comum e prova-o a estatística. Sem o seu capitão, a seleção atualmente dirigida por Edgardo Bauza obteve apenas 7 pontos em 24 possíveis nesta qualificação; com Messi no relvado, cinco vitórias em seis partidas. Com 22 pontos após 14 jornadas, a Argentina tem apenas dois pontos de vantagem sobre o Equador, sexto classificado.

Na zona europeia, a grande estrela em risco é o galês Gareth Bale, do Real Madrid. Depois de ter caído apenas aos pés de Portugal, nas meias-finais, na sua primeira participação num Europeu, no verão passado, o País de Gales está agora em dificuldades para assegurar um dos dois primeiros lugares no grupo D de qualificação para o Mundial 2018, somando sete pontos em cinco jornadas, quatro pontos menos do que Sérvia e Rep. Irlanda.

Também o veterano holandês Arjen Robben arrisca deixar fugir aquela que é provavelmente, aos 33 anos, a última oportunidade para jogar mais um Mundial. O jogador do Bayern é vítima da desilusão laranja no competitivo grupo A, que valeu já o despedimento do selecionador Danny Blind. A Holanda é apenas quarta classificada, com sete pontos, atrás de França (13), Suécia (10) e Bulgária (9).

Lembre-se que, na zona europeia, os vencedores dos nove grupos têm qualificação direta enquanto os oito melhores segundos classificados vão jogar um play-off para decidir as quatro vagas restantes. O que, em rigor, deixa também nesta altura sob ameaça todas as estrelas e seleções classificadas no segundo lugar dos respetivos grupos. Entre as quais estão... Cristiano Ronaldo e a seleção portuguesa.

Em África, o principal craque ameaçado com a ausência no próximo Mundial da Rússia é o avançado do Borussia Dortmund Pierre-Emerick Aubameyang, cuja seleção do Gabão é terceira no grupo C, liderado pela Costa do Marfim.

Se a campanha de qualificação tivesse terminado agora, o próximo campeonato do mundo também não teria o melhor jogador asiático da atualidade. Os Emirados Árabes Unidos, seleção do criativo médio Omar Abdulrahman, estão apenas no quarto lugar do grupo B, a quatro pontos já da Austrália, terceira classificada [lugar que dá acesso à quarta ronda da zona asiática].

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.