Mercedes abre as portas da Fórmula 1 ao filho de Michael Schumacher

Mick Schumacher pode integrar o programa de desenvolvimento da escuderia campeã mundial com vista à formação de pilotos de topo. O jovem alemão deu nas vistas neste ano ao sagrar-se vice-campeão germânico de Fórmula 4 e, na última corrida da época, até chegou a desafiar o retirado campeão Nico Rosberg

Nico Rosberg tornou-se recentemente um dos dois únicos filhos de ex-campeões do mundo de Fórmula 1 a reeditar os feitos do pais - o outro foi Damon Hill. Mas há mais um candidato na calha para fazer honra à herança do pai. Mick Schumacher, que aos 17 anos já tem na Mercedes uma possibilidade para lhe abrir as portas do circo mundial no futuro - para já, ao que tudo indica, vai ser incluído nos programa de desenvolvimento de jovens pilotos da marca.

Segundo o jornal alemão Kölner Express, o acordo para que Mick integre a Mercedes Team está perto de ser alcançado, embora nenhuma das partes se tenha ainda pronunciado sobre essa possibilidade. Certo é que Mick Schumacher foi, recentemente, convidado para assistir à derradeira corrida do Mundial de F1 e esteve nos bastidores da Mercedes.

O filho do recordista de títulos na Fórmula 1 publicou, na rede social Instagram, uma foto ao lado de Nico Rosberg com o troféu de campeão. "Muitos parabéns, Nico Rosberg, mas quero que saibas que em breve vou apoderar-me desse troféu", escreveu.

O campeão mundial anunciou a retirada das pistas e abriu uma vaga na equipa de Lewis Hamilton. Pascal Wehrlein, 22 anos, é o mais forte candidato a substituir o alemão, enquanto Esteban Ocon assumirá o papel de piloto principal do programa de desenvolvimento. Assim, Mick poderá ser incluído no programa de desenvolvimento que curiosamente tinha, em 2012, em Michael Schumacher um dos mentores. O antigo piloto, vítima de um acidente que alegadamente o deixou em estado vegetativo há três anos, foi colaborador do programa de preparação de jovens pilotos como Christian Vietoris, Roberto Merhi e Robert Wickens. Agora, o programa da Mercedes volta a ter outro Schumacher, mas desta vez na função de aprendiz.

Mick passava despercebido quando, em 2008, se aventurou no mundo do automobilismo. A estreia oficial aconteceu três anos depois, nos karts - em que Schumi também deu os primeiros passos -, mas poucos se apercebiam de quem era Mick... Betsch.

De modo a evitar o mediatismo por ser filho de Michael Schumacher, Mick decidiu inscrever-se nas corridas sempre com o apelido da mãe. No entanto, nos últimos meses abraçou, de vez, o apelido Schumacher, não fugindo à pressão ou à responsabilidade de seguir as pisadas do pai.

Em outubro, Mick sagrou-se vice-campeão alemão de Fórmula 4, ele que também competiu e terminou na mesma posição no campeonato italiano. Os planos da Mercedes, segundo o referido jornal alemão, passam por incluir Mick no circuito de Fórmula 3 da Euro Series, categoria na qual também competiram Max Verstappen (5.º classificado e sensação de 2016) e Lance Stroll, dois dos mais promissores pilotos da atualidade.

Curiosamente, Michael Schumacher afirmou, numa entrevista dada há seis anos, que não queria que Mick seguisse carreira na Fórmula 1. "Gostaria de afastá-lo das corridas e preferia que ele se dedicasse ao golfe. Na minha carreira apercebi-me de que a responsabilidade de carregar um nome é um fardo enorme. Vi isso até com o meu próprio irmão Ralf", justificou.

No verão, Mick afirmou que não vê no progenitor um sinal de pressão ou favorecimento. "Não tenho pressa em alcançar nada nem coloco metas a mim próprio. A única coisa que quero é focar-me em mim e evoluir sem perder a concentração. Correr é complexo e difícil, e é isso que me apaixona. É isto que sonho fazer, independentemente de também ter sido o que o meu pai fez", sublinhou.

A confirmar-se o ingresso de Mick na Mercedes, o filho do detentor de sete títulos mundiais vai alinhar na equipa ao serviço da qual Schumacher se retirou, em 2012. Curiosamente, Mick correu em 2016 pela Prema, com ligações à Ferrari, outra escuderia que marcou a carreira de Michael Schumacher. Porém, a Mercedes prepara-se para se antecipar e garantir uma jovem promessa para os seus quadros. O apelido, pelo menos, não podia ser mais recomendável.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...