Marta Soares quer ter uma conversa com Bruno de Carvalho

O presidente da mesa da Assembleia do Sporting, Jaime Marta Soares, pretende ter uma conversa com o presidente Bruno Carvalho, para analisar a situação atual que o clube está a atravessar.

"Estou atento ao que está a passar, estou a falar com muitas pessoas que são do Sporting e com responsabilidades no Sporting. Quero ter uma conversa com o presidente Bruno de Carvalho, ao nível do que temos tido sempre nestes anos, uma conversa franca, leal e aberta, e depois tomarei a atitude que achar mais conveniente", disse hoje à noite à agência Lusa.

Marta Soares referiu que está a analisar e a refletir sobre o atual momento do clube e salientou que é necessário existir "calma, serenidade e ponderação".

Sempre com a perspetiva de apaziguar este momento, que está muito inflamado. Não ganha ninguém, ninguém ganha com isto e muito menos o Sporting

O presidente do Sporting suspendeu hoje os jogadores que subscreveram o comunicado contra as críticas de que foram alvo por parte de Bruno de Carvalho e fez saber que terão de enfrentar a disciplina do clube.

"Todos os atletas que subscreveram o que em baixo descrevo estão imediatamente suspensos, tendo de enfrentar a disciplina do clube. Já estou farto de atitudes de miúdos mimados que não respeitam nada nem ninguém, como por exemplo os adeptos relativos aos quais já ouvi comentários do mais baixo possível", escreveu Bruno de Carvalho no 'facebook', em reação ao comunicado conjunto que vários jogadores publicaram nas redes sociais.

Numa mensagem apenas visível para amigos do presidente do Sporting, Bruno de Carvalho acrescenta que o clube "não vive na República das bananas" e que esgotou a paciência para quem acha que está acima do clube e de qualquer crítica, numa alusão aos jogadores que tornaram público o comunicado a quem apelida de "crianças mimadas".

"Começam com 'Somos Sporting' e que "não existe um Eu mas um Nós", sendo que isso não passa de mera fantasia, pois na realidade não o são. São profissionais rotativos e que os que lhes interessa não é o Eu ou o Nós. Só lhe interessa o Eles", escreveu, ainda, Bruno de Carvalho na sua conta naquela rede social.

Esta reação de Bruno de Carvalho surgiu na sequência de um comunicado conjunto que vários jogadores publicaram nas redes sociais, no qual criticam o presidente pelos comentários feitos por este a seguir ao jogo com o Atlético Madrid, na quinta-feira, dos quartos de final da Liga Europa, que terminou com a vitória dos espanhóis por 2-0.

"Em nome de todo o plantel do Sporting, espelhamos neste texto o nosso desagrado por vir a público as declarações do nosso presidente, após o jogo de ontem [quinta-feira], no qual obtivemos um resultado que não queríamos... a ausência de apoio neste momento... daquele que deveria ser o nosso líder. Apontar o dedo para culpabilizar o desempenho dos atletas publicamente quando a união de um grupo se rege pelo esforço conjunto, seja qual for a situação que estejamos a passar, todos os assuntos resolvem-se dentro do grupo", pode ler-se no comunicado dos jogadores.

Até ao momento, já subscreveram o comunicado Rui Patrício, William Carvalho, Fábio Coentrão, Bruno Fernandes, Battaglia, Piccini, Palhinha, Coates, Acuña, Gelson, Podence, Bruno César, Wendell, Montero, Bryan Ruiz, Rúben Ribeiro, Doumbia e Rafael Leão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.