Mário Rui será a 32.ª estreia da era Fernando Santos

Defesa esquerdo do Nápoles prepara-se para vestir pela primeira vez a camisola das quinas. William dispensado devido a lesão

Mário Rui, defesa esquerdo português de 26 anos que joga no Nápoles, foi chamado à seleção para substituir Fábio Coentrão (lesionado) e caso seja utilizado nos particulares frente ao Egito (sexta-feira) e Holanda (segunda), de preparação para o Mundial, torna-se o 32.º jogador lançado por Fernando Santos desde que o selecionador assumiu os destinos da equipa nacional, em setembro de 2014.

Esta convocatória até poderia marcar a estreia de dois jogadores, mas o central benfiquista Rúben Dias, de 20 anos, acabou por ser dispensado dos trabalhos devido a lesão e adiou a sua primeira internacionalização A - para o seu lugar foi chamado Luís Neto.

Tendo como ponto de referência o ano de 2000 - desde então Portugal nunca mais falhou uma fase final de uma grande competição, Europeu ou Mundial -, Santos foi o selecionador que mais jogadores lançou na equipa das quinas, superando os 30 da era de Luiz Felipe Scolari (em 75 jogos), os 24 de Paulo Bento (47 jogos) e os 16 de Carlos Queiroz (29 jogos), estes últimos números relativos à segunda passagem do atual selecionador do Irão pela equipa das quinas.

2015 foi o ano em que Fernando Santos mais estreias proporcionou, num total de 13, com destaque para nomes como Anthony Lopes, Bernardo Silva, Danilo Pereira, Nélson Semedo e Gonçalo Guedes, jogadores que habitualmente integram as escolhas do engenheiro. Seguiram-se quatro em 2016, ano em que Portugal se sagrou campeão da Europa, e oito no ano passado. Em 2017, aliás, em apenas dois jogos - particulares com a Arábia Saudita e os Estados Unidos -, o selecionador promoveu sete (!) estreias: Kevin Rodrigues, Edgar Ié, Bruno Fernandes, Rony Lopes, Ricardo Ferreira, Gonçalo Paciência e Bruma.

Mário Rui, alentejano nascido em Sines, fez parte da formação no Sporting, rumou ainda novo ao Valência e voltou a Portugal para jogar nos juniores do Benfica. Mas nunca representou qualquer clube português na I Liga - fez o primeiro ano de sénior no Fátima. Rumou depois ao futebol italiano, onde começou por representar clubes dos escalões secundários até chegar à AS Roma em 2016. Nesta temporada assinou pelo Nápoles, atual segundo classificado, onde tem sido titular no lado esquerdo da defesa.

Numa recente entrevista ao DN, a 28 de janeiro, o lateral esquerdo assumiu que não tinha esperanças de poder integrar o lote de convocados para o Mundial da Rússia, lembrando que à sua frente tinha jogadores como Raphaël Guerreiro, Fábio Coentrão e Antunes. Mas agora, com esta chamada, e dados os problemas físicos de Guerreiro e Coentrão, certamente vê uma janela de esperança abrir-se.

O defesa do Nápoles foi a novidade do treino da seleção realizado ontem de manhã na Cidade do Futebol, em Oeiras, que contou ainda com William Carvalho, que ao principio da noite foi dispensado por Fernando Santos devido a lesão numa coxa. O selecionador decidiu não proceder à substituição do médio. Quem não se treinou foi Gelson Martins, mas apenas por precaução. Já Luís Neto apresentou-se mais tarde devido a um atraso no voo que o transportou de Istambul para Lisboa. A seleção volta a treinar hoje e viaja amanhã para a Suíça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.