Maria Sharapova cai na primeira ronda em Indian Wells

Tenista russa eliminada pela jovem japonesa Naomi Osaka

Maria Sharapova entrou da pior forma no torneio de Indian Wells, nos EUA, e foi derrotada logo na primeira eliminatória, em dois sets (6-4, 6-4), pela japonesa Naomi Osaka, uma das jovens tenistas em ascensão no circuito WTA.

A russa continua sem encontrar o seu melhor ténis, quase um ano depois de ter voltado a jogar, após cumprir 15 meses de suspensão por doping. Atualmente 41.ª do ranking, Sharapova, de 30 anos, venceu apenas um torneio desde o seu regresso aos courts (em Tianjin, na China, em outubro passado) e este ano ainda não chegou a qualquer final.

"Queria ter-me dado bem aqui, não só porque já ganhei este torneio um par de vezes mas porque essa é a mentalidade que eu tenho como ex-campeã, como alguém que é uma competidora e quer dar-se bem nos eventos em que entra", lamentou Sharapova, deixando elogios à adversária. "Ela tem jogado muito, muito bem. É rápida, agressiva, bate bolas profundas e tem um grande serviço."

Este torneio de Indian Wells assinala também o regresso de Serena Williams à ação em competições de singulares, seis meses depois de ter sido mãe e de ter superado uma embolia pulmonar sofrida durante o parto, e mais de um ano depois de ter jogado pela última vez, na final do Open da Austrália de 2017. A norte-americana vai defrontar esta quinta-feira Zarina Diyas, do Cazaquistão.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.