Marcos Rojo salva a Argentina e marca encontro com a França

A Nigéria esteve com um pé nos oitavos-de-final, mas um golo do ex-defesa do Sporting aos 86 minutos fez rebentar a festa argentina e até deixou Messi em lágrimas

Mais uma vez de aflitos. A Argentina garantiu ontem o apuramento para os oitavos-de-final do Mundial 2018, mas teve de sofrer até aos 86 minutos, altura em que o defesa Marcos Rojo, à ponta-de-lança, marcou o golo que derrotou a Nigéria, por 2-1, e fez rebentar a festa argentina em São Petersburgo, com Diego Maradona aos saltos na bancada.

A caminhada da seleção alvi-celeste tem sido cheia de espinhos. Basta lembrar a fase de apuramento para este Mundial, em que esteve à beira da eliminação, valendo hat-trick de Messi no Equador, depois de ter começado essa partida a perder.

Ontem não houve tanto Messi, mas a estrela do Barcelona colocou a Argentina a vencer com um belo remate após passe genial de Banega. Estava marcado o golo 100 do Mundial 2018 e tudo parecia encaminhado, pois a equipa de Sampaoli até estava a dar uma melhor imagem em relação aos jogos com a Islândia e a Croácia. Só que no início do segundo tempo, um penálti cometido por Mascherano, deu oportunidade a Victor Moses de bater o guarda-redes Armani, que fazia o primeiro jogo pela seleção argentina. O empate estava feito e apurava a Nigéria.

O desespero tomou então conta dos argentinos, que tinham muitas dificuldades em lidar com o poder físico e a velocidade dos africanos, que bem protestaram dois lances na área argentina, sendo que num deles o VAR ignorou os protestos nigerianos.

Sampaoli arriscou tudo com as entradas de Pavón, Meza e Agüero, mas acabou por ser o ex-sportinguista Marcos Rojo a rematar para o fundo da baliza de Uzoho. Um golo que apareceu quando já nenhum argentino parecia acreditar e que fez desabar o sonho dos nigerianos.

A Argentina vai agora defrontar a França nos oitavos-de-final, naquela que será o primeiro duelo entre ex-campeões do mundo na Rússia. A cidade de Kazan vai receber no sábado, às 15.00 horas, um dos grandes clássicos de seleções.

Quando o árbitro deu por terminada a partida, as lágrimas escorreram pela face de Messi enquanto se abraçava aos seus companheiros. Apareceu mais calmo perante a imprensa, altura em que admitiu ter havido "nervos e ansiedade" durante o jogo, mas depois disparou: "É maravilhoso ganhar desta forma. Adorei que Marcos Rojo tenha marcado, merece por tudo o que fez. É uma alegria por tudo o que sofremos." A terminar, Messi abriu o coração e desabafou: "Sabia que Deus estaria connosco e que não nos ia deixar de fora."

No sábado, frente à França, a Argentina terá de mostrar bem mais, mas a verdade é que esta vitória poderá ajudar a acalmar uma nação que tantas críticas tem feito a Messi e companhia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.