Marco Gonçalves:"Não sei como aconteceu aquilo"

Árbitro teve de ser assistido pelo INEM. Polícia teve de entrar em campo

Marco Gonçalves, do Canelas 2010, disse hoje não se recordar de ter agredido o árbitro do encontro com o Rio Tinto, em jogo da terceira jornada da fase de subida da Divisão de Elite da Associação de Futebol do Porto.

"Não me lembro de o ter agredido. Foi o empurra aqui e empurra ali", disse Marco Gonçalves, à SIC, depois de ter sido expulso logo aos dois minutos da partida.

Marco Gonçalves diz que se lembra de agarrar o árbitro, mas que não se lembra "como aconteceu aquilo".

"Você [jornalista] está a dizer que foi uma joelhada... talvez fosse. Se for esse o caso, eu queria mesmo pedir desculpa ao árbitro, à respetiva família, aos portugueses e à instituição do Rio Tinto", afirmou.

O jogador garante ter sido insultado pelo adversário logo no início do jogo.

"Ele disse-me: 'Seu filho da p..., morte à tua mãe!'. E eu: 'Hein?' Pegámo-nos aí, meti-lhe o braço e ele atira-se para o chão como os bebés fazem, a chorar. O senhor árbitro começa a correr em direção a mim, do nada, e 'saca' logo do vermelho. Vermelho direto? Eu não agredi, fiz o que disse. Estava a ser insultado", assegurou.

O encontro entre o Sport Rio Tinto e Canelas 2010, da 3.ª jornada da fase de subida da Divisão de Elite da Associação de Futebol do Porto, durou apenas dois minutos, depois de Marco Gonçalves da equipa gaiense ter agredido um atleta da formação da casa e o árbitro.

Num dos primeiros lances da partida, o jogador Marco, do Canelas, agrediu um jogador da equipa da casa e imediatamente o árbitro mostrou o cartão vermelho

"Depois de ter recebido a ordem de expulsão, o jogador rodeou o árbitro e agrediu-o com violência, com uma joelhada, atirando-o ao chão. Foi socorrido de imediato e ele próprio chamou o INEM para ser assistido no local, pois tudo leva a crer que partiu o nariz", esclareceu ainda fonte do Sport Rio Tinto.

A polícia entrou em campo para serenar os ânimos, acompanhando Marco na saída do retângulo de jogo.

Luciano Gonçalves, presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), classificou o ato como "vergonhoso" e alertou que situações como esta não devem voltar a acontecer.

"O que aconteceu é vergonhoso para o futebol e não pode voltar a acontecer. As instâncias têm que pôr mão nisto de alguma forma. Estas situações estão a passar o âmbito desportivo e têm que terminar", começou por dizer o dirigente.

Corremos o risco que um dia apareça um árbitro morto num qualquer relvado

O Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) classificou este domingo como "inaceitável" a agressão contra o árbitro José Rodrigues, durante um jogo entre o Rio Tinto e o Canelas 2010.

"A agressão a que todos pudemos assistir é inaceitável no futebol e na sociedade", refere uma nota de Ana Raquel Brochado, porta-voz e vogal do CA da FPF.

Na nota, o organismo "condena de forma veemente e inequívoca a agressão" a José Rodrigues e garante que o apoiará "de todas as formas necessárias".

O CA refere ainda que o árbitro "já deixou o hospital onde foi assistido, no Porto", depois de ter sido agredido aos dois minutos do encontro da 3.ª jornada da fase de subida da Divisão de Elite da Associação de Futebol do Porto.

Exclusivos

Premium

Betinho

"NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus há seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.