Marco Gonçalves suspenso quatro anos e dois meses após agressão

Jogador agrediu um árbitro no jogo entre o Canela e o Rio Tinto

Marco Gonçalves, o jogador do Canelas que agrediu o árbitro José Rodrigues, foi suspenso por quatro anos e cinco meses pela Comissão de Disciplina da Associação de Futebol do Porto, disse à agência Lusa fonte do organismo.

Segundo a mesma fonte, o jogador do Canelas foi alvo de três penalizações, uma mais pesada, de quatro anos de suspensão, por "ofensas corporais à equipa de arbitragem", uma segunda, de três meses, por "ameaças, injúrias e ofensas à reputação", e ainda uma terceira de dois meses, por "ofensas corporais graves a jogadores".

A agressão a José Rodrigues, com uma joelhada, ocorreu há cerca de um mês, no jogo com o Rio Tinto, do campeonato da principal divisão distrital da Associação de Futebol do Porto.

Além da suspensão, Marco Gonçalves terá ainda de pagar uma indemnização ao árbitro José Rodrigues de 4.125 euros, e à AF Porto 20 por cento desse montante.

O Canelas 2010, por seu lado, foi sancionado com a pena de derrota no jogo com o Rio Tinto, a quem deverá pagar uma indemnização de 1.605 euros, a que acresce um pagamento à AF Porto de 20 por cento desse montante.

O clube de Vila Nova de Gaia foi ainda multado em mais 400 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?