Maradona diz que Muhammad Ali foi "o melhor de todos os tempos"

"Foi o único que fez chorar o meu pai quando o viu ao vivo", contou o futebolista argentino

O antigo futebolista argentino Diego Armando Maradona considerou hoje Muhammad Ali "o melhor de todos os tempos", numa reação à morte do pugilista norte-americano.

O ex-campeão mundial de boxe morreu na sexta-feira, aos 74 anos, num hospital da cidade norte-americana de Phoenix, onde estava internado devido a complicações respiratórias.

"O melhor de todos os tempos, de longe e com muita diferença. Foi o único que fez chorar o meu pai quando o viu ao vivo aquando do combate entre Ray Sugar Leonard e Tommy Herns, em Las Vegas, em 81", escreveu Maradona na sua conta de Facebook, citado pela agência de notícias espanhola EFE.

A acompanhar a mensagem, o argentino publicou uma foto de Ali após a vitória no combate histórico frente a George Foreman, em 1974.

Uma das maiores batalhas de Muhammad Ali não aconteceu dentro do ringue, mas contra a doença de Parkinson, que o incapacitou nas últimas três décadas da sua vida.

Para muitos especialistas, a doença que afeta o sistema neurológico não resultou de um acidente, mas é antes fruto dos anos de boxe que o pugilista praticou.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.