Maradona diz que Muhammad Ali foi "o melhor de todos os tempos"

"Foi o único que fez chorar o meu pai quando o viu ao vivo", contou o futebolista argentino

O antigo futebolista argentino Diego Armando Maradona considerou hoje Muhammad Ali "o melhor de todos os tempos", numa reação à morte do pugilista norte-americano.

O ex-campeão mundial de boxe morreu na sexta-feira, aos 74 anos, num hospital da cidade norte-americana de Phoenix, onde estava internado devido a complicações respiratórias.

"O melhor de todos os tempos, de longe e com muita diferença. Foi o único que fez chorar o meu pai quando o viu ao vivo aquando do combate entre Ray Sugar Leonard e Tommy Herns, em Las Vegas, em 81", escreveu Maradona na sua conta de Facebook, citado pela agência de notícias espanhola EFE.

A acompanhar a mensagem, o argentino publicou uma foto de Ali após a vitória no combate histórico frente a George Foreman, em 1974.

Uma das maiores batalhas de Muhammad Ali não aconteceu dentro do ringue, mas contra a doença de Parkinson, que o incapacitou nas últimas três décadas da sua vida.

Para muitos especialistas, a doença que afeta o sistema neurológico não resultou de um acidente, mas é antes fruto dos anos de boxe que o pugilista praticou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.