Manuel Mendes conquista mais um bronze para Portugal

A missão portuguesa despede-se do Rio 2016 com a conquista da quarta medalha de bronze nos Jogos Paralímpicos. Este domingo, último dia de provas, Manuel Mendes foi 3.º classificado na maratona T46.

Manuel Freitas Mendes, de 45 anos, foi o último herói da campanha portuguesa nos Jogos Paralímpicos de 2016. Este domingo, na maratona T46 (classe de atletismo para amputados dos membros superiores), o português fez uma prova em crescendo: subiu ao 3.º lugar nos quilómetros finais e, com o tempo de 2:49.57 horas, conquistou a medalha de bronze. O ouro foi para o chinês Li Chaoyan (2:33.35) e a prata para o espanhol Abderrahman Ait Khamouch (2:37.01).

A medalha conquistada por Manuel Mendes, atleta natural de Guimarães, é a quarta de Portugal nos Jogos Paralímpicos de 2016. Antes, também Luís Gonçalves (atletismo / 400 metros T12), José Carlos Macedo (boccia / torneio individual BC3) e a equipa BC1/BC2 de boccia (Abílio Valente, António Marques, Cristina Gonçalves e Fernando Ferreira) tinham subido ao lugar mais baixo do pódio, na competição que decorre até este domingo no Rio de Janeiro (Brasil).

Quanto aos outros portugueses que competiram este domingo, na maratona T12 (classe para deficientes visuais), também se despedem com classificações honrosas: Gabriel Macchi foi 6.º (2:43.49 horas, melhor tempo da época) e Jorge Pina ficou em 7.º lugar (2:55.47), numa prova ganha pelo El Amin Chentouf (com o registo de 2:32.17).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.