"Jesus continua a ser aposta de risco para quem quer ser campeão"

Candidato derrotado nas eleições de março quebrou o silêncio para fazer um balanço da época do Sporting. A equipa de Jorge Jesus despediu-se da temporada com um triunfo, domingo, em Alvalade, frente ao Chaves (4-1), terminando a Liga 2016/17 no terceiro lugar, que dá acesso ao play-off da Liga dos Campeões do próximo ano.

Que balanço faz da época do Sporting?

A época foi uma grande desilusão, ao contrário que que pensa Jorge Jesus, que na conferência de imprensa disse não estar desiludido porque o Sporting há 15 anos que não é campeão e por isso foi só mais um. É óbvio que foi uma desilusão, nunca foi feito um investimento tão grande, além disso havia enorme expectativa depois do 2.º lugar da época passada. E se o ano passado tivemos o fator positivo que foi a valorização de alguns jogadores, este ano, tirando Bas Dost e Gelson Martins não cresceram. Além disso, houve uma série de contratações que não pegaram e jogadores que até baixaram de produção, como o Marvin, o Schelotto e o Bryan Ruiz.

Como analisa as declarações do treinador: 'só com a Academia não vamos lá'?

Como adepto, diria que qualquer pessoa de bom senso sabe que não é só com a Academia que vamos lá, ao título. Nem percebo essa conversa do Jorge Jesus. Agora, o lembrar que o Sporting não é um clube campeão, não tem cultura de campeão, isso eu não percebo. Em que é que isso ajuda? Os sportinguistas não querem um treinador com desculpas... Ele já está a dizer que o início da próxima época vai ser complicado, com jogadores cansados das seleções. Era o que mais faltava. Ele está lá e é muito bem pago para encontrar soluções e resolver problemas, se não que faça outra coisa qualquer na vida. E ao contrário do que fez devia, sim, assumir os erros e as opções que foram tomadas. Compare-se com a época de Marco Silva, que foi despedido numa época em que fez mais pontos, acabou a época com uma defesa menos batida, e tendo ganho uma Taça de Portugal...

O projeto de Jorge Jesus está esgotado?

Não digo que seja um projeto esgotado, mas continua a ser uma aposta de risco para quem quer ser campeão. O projeto do presidente esgota-se em Jorge Jesus. Por isso é que Jorge Jesus também não pode ir embora, se não Bruno de Carvalho fica sem projeto. A grande arma das eleições foi o treinador ter-lhe dado apoio e eu dito que com isso já não podia contar com ele...

Acredita que o treinador vai fica no Sporting?

Não sei, mas é óbvio que é uma paz podre entre presidente e treinador. Aquelas declarações duríssimos de Bruno de Carvalho depois do jogo com o Belenenses, as frases de Jorge Jesus sobre terceiras escolhas. É óbvio que é uma paz podre, é óbvio que nem um nem outro estão contentes. Eu gostava de dizer que não tem nada a ver com a indemnização, que como eu disse na campanha seria possível ele sair sem ter de lhe pagar... Mas, mais do que isso acho que é preciso por ordem na casa e acabar com o Bruno de Carvalho desestabilizador da época.

Como assim?

As constantes declarações de ataque a jogadores, os post do Facebook como aquele onde até atacou os adeptos e levou à demissão de Vicente Moura, algo que me surpreendeu porque pensei que o presidente só estava rodeado de yes man. O Vicente Moura mostrou uma personalidade que não esperava, mesmo a admitir que a saía se devia não só a questões de saúde como disse o Sporting, mas também às críticas de Bruno de Carvalho às modalidades. O que mostra a cultura de mentira que está instalada no Sporting.

Esta baixa na direção, três meses após a reeleição, pode fragilizar Bruno de Carvalho?

Acho que não. A direção é Bruno de Carvalho e mais nada. Os sportinguistas votaram neste modelo de one man show, mas eu acredito que ainda vai a tempo de arrepiar caminho

Esta decisão de sair do Facebook, pode ser o primeiro passo desse 'arrepiar caminho', que fala?

É uma decisão muito positiva e sensata da parte do presidente, porque tem sido disparate atrás de disparate, mas acredito que continue a 'falar' através do diretor de comunicação. Arrasar o futsal que é das poucas equipas que nos tem dados alegrias não faz sentido. Vejo algum desnorte e falta de estratégia... Veja-se esta aliança com o FC Porto, que usou o Sporting no interesse deles. Passaram a imagem de desespero por ver o grande rival, o Benfica, não parar de ganhar.

Acredita num mandado a quatro anos de Bruno de Carvalho?

Foi nisso que os sportinguistas votaram e de forma muito clara e eu espera que cumpra os quatro anos., agora tenho a certeza que nós, sportinguistas, não vamos aguentar quatro anos como foram estes últimos três meses, não aguentámos! Eu acho que Bruno de Carvalho deslumbrou-se um pouco com os 92%, com aquele 'badamerda' e tal, e esta mudança da data da Gala do Sporting, ele julga-se acima do Sporting.

Como se vai posicionar agora? Será oposição silenciosa ou ativa?

Eu sou direto e claro e vou continuar a ser. Vou ter sempre cuidado para não prejudicar o meu clube e ser acusado de desestabilizador. Vou gerir os meus timings. Eu estive calado até ao final da época, mas é importante que haja uma voz que alerte para aquilo que deve ser feito. Não é destruir é criticar, na esperança que treinador e presidente consigam endireitar o barco.

Mas estamos a falar de uma espera de quatro anos até um novo ato eleitoral...

Eu não estou a medir... Ao contrário de muitos eu avancei por convicção, não estive a contar soldados e generais. Não tenho esse vetor estratégico, racional, digo aquilo que acredito e não a pensar que pode vir a se bom no futuro e se voltar a ser candidato.

Das promessas eleitorais do atual presidente, que o venceu nas eleições por (92% contra 8%) qual espera ver cumprida?

A promessa de ganhar dois campeonatos... Como se pode prometer uma coisa destas? Valeu tudo para ganhar as eleições, agora vai ter de cumprir!

Largou o emprego na Câmara do Comércio para ser candidato à presidência do Sporting, o que faz atualmente?

Tenho estado a fazer trabalho de consultoria. Recebi um convite mas tinha como exigência largar completamente esta vida do Sporting, que é uma enorme paixão e não dá para me desligar. Eu acho mesmo que foi fundamental eu ter aparecido se não íamos ter Bruno de Carvalho reeleito com 100%. O que seria uma vergonha para um clube democrática como o Sporting.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.