Luís Gonçalves conquista bronze para Portugal

É a primeira medalha para Portugal nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro

Luís Gonçalves conquistou esta sexta-feira a primeira medalha para Portugal nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro ao garantir o bronze na final dos 400 metros T12 (deficiência visual), com o tempo de 49,54 segundos. O atleta do Sporting, de 28 anos, repetiu a proeza de há oito anos, mas em Pequim 2008 ganhou a prata.

"Vou dar o meu melhor [...] o céu é o limite", tinha dito Gonçalves na quinta-feira, depois de ter vencido a sua série nas meias-finais, ambicionando então uma medalha "para fechar o ciclo [paralímpico] em beleza". O que veio a concretizar-se.

O facto de ter nascido com retinosquise, uma doença rara que afeta a retina e impede a visão, não o impediu de praticar desporto. Fez natação, futsal, karate, jiu jitsu e até tentou o futebol - o seu ídolo era o guarda-redes soviético Lev Yashin. Mas acabou por escolher o atletismo, modalidade em que é uma referência a nível mundial.

"Não parava quieto. Gostava de pegar nos ténis e nos calções e correr uma hora, hora e meia. Nunca deixei de fazer nada, brinquei a tudo. Foi assim que me adaptei a ter noção do espaço e a aproveitar os meus sentidos ao máximo - e também a visão. Como nasci com este problema, já estou habituado. Para mim, isto é o ser normal, sempre vi o mundo assim e sempre tive que me desenrascar", contou num perfil publicado no site do Sporting, o clube que defende.

Nascido em Alagoa, uma aldeia de Portalegre, mudou-se para Lisboa aos 18 anos, para conciliar o atletismo com o curso de curso de massagem auxiliar de fisioterapia. Desde 2006 venceu várias provas internacionais, mas o ponto alto aconteceu nos Jogos Paralímpicos de Pequim, onde foi medalha de prata nos 400 metros. "Quando era novo no atletismo os meus colegas chamavam-me passarinho. Recordo-me que na minha primeira prova nos Jogos, estava parado na porta da maratona com o meu treinador e disse-lhe: "O passarinho vai ganhar asas". E ganhou."
Entre 2012 e 2014 esteve suspenso, devido a um controlo de doping positivo que o impediu de participar nos Jogos Londres2012. Mas o ano passado voltou a brilhar, ao sagrar-se campeão mundial dos 400 metros T12, no Qatar.

Este sábado Portugal terá mais um atleta a disputar uma final. Mário Trindade, 41 anos, garantiu presença na prova dos 100 metros T52 (deficiência motora), ao terminar em segundo a sua série. O atleta, que compete numa cadeira de rodas, fez o tempo de 17,94 segundos, atrás do norte-americano Gianfranco Iannotta. A final está agendada para as 14.48 portuguesas. Nas provas realizadas esta sexta-feira, o nadador David Grachat garantiu presença na final dos 400 metros S9, mas terminou sem medalhas no oitavo lugar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.