Afinal Luís Filipe Vieira foi ouvido no DIAP na condição de arguido

Presidente do Benfica ouvido por causa de um incidente antes do jogo entre o Desportivo das Aves e o Benfica, a 22 de outubro passado.

Luís Filipe Vieira foi ouvido, esta quarta-feira, no DIAP, em Lisboa, como arguido e não como testemunha do caso dos capangas, relacionado com os incidentes ocorrido no encontro entre o Aves e o Benfica, a 22 de outubro passado.

Segundo confirmou ao DN a Procuradora-Geral da República (PGR), o presidente do Benfica "foi ouvido como arguido, no DIAP de Lisboa, no âmbito de um inquérito em que se investiga a eventual prática de um crime de difamação".

Numa entrevista à BTV, Vieira, terá acusado quatro homens de ameaças a Paulo Gonçalves, referindo-se a eles como quatro "capangas", alegadamente pertencentes aos Super Dragões, claque afeta ao FC Porto. Vitor Catão, diretor desportivo do Canelas era um desses individuos e resolveu apresentar queixa na justiça desportiva e na cívil.

Queixa essa que o Conselho de Disciplina da Federação arquivou, em novembro passado, por entender que não havia provas de que Vieira estava a referir-se a um dirigente desportivo.

Catão, acrescente-se, é ouvido quinta-feira, na PSP de Rio Tinto.

Ler mais

Exclusivos

João Almeida Moreira

DN+ Cadê o Dr. Bumbum?

Por misturar na peça Amphitruo deuses, e os seus dramas divinos, e escravos, e as suas terrenas preocupações, o dramaturgo Titus Plautus usou pela primeira vez na história, uns 200 anos antes de Cristo, a expressão "tragicomédia". O Brasil quotidiano é um exemplo vivo do género iniciado por Plautus por juntar o sagrado, a ténue linha entre a vida e a morte, à farsa, na forma das suas personagens reais e fantásticas ao mesmo tempo. Eis um exemplo.