Luís Figo diz que suspeição e polémica no futebol português sempre existiram

O ex-futebolista, Bola de Ouro do France Football em 2000 e jogador do ano da FIFA em 2001, disse esta quarta-feira que a suspeição e a polémica sempre existiram no futebol português e vão continuar a existir.

"É uma coisa que sempre existiu, a suspeição, a polémica, e acho que sempre vai existir. Não só por ser histórico, mas também porque se trata um pouco da nossa cultura", disse Figo, aos jornalistas, em Vieira de Leiria, à margem de uma ação de reflorestação do pinhal de Leiria, promovida pela fundação que tem o seu nome.

Embora admitindo que, além dos resultados, não tem acompanhado "muito aquilo que se está a passar em Portugal em termos desportivos", o antigo atleta do Sporting, Barcelona e Real Madrid frisou que as polémicas e acontecimentos negativos não dão uma boa imagem do futebol.

"Mas, não é só em Portugal, isto acontece em outras partes do mundo. De uma vez, devíamos focar-nos naquilo que é realmente importante e produzir coisas positivas para o futebol português", advogou.

Sobre a situação do médio português do Barcelona, André Gomes, que na segunda-feira, em entrevista à revista Panenka, admitiu que não se sente bem em campo e que não tem prazer naquilo que faz, Figo afirmou que "toda a gente passa por momentos mais delicados na carreira" e existem sempre "altos e baixos".

"O mais importante é teres personalidade e caráter para poder ultrapassar esses momentos. É lógico que não é agradável para ninguém passar momentos assim, de falta de confiança, mas o mais importante é confiares nas tuas possibilidades e ter a personalidade suficiente para afrontar o dia de manhã", argumentou.

Figo disse desconhecer as críticas a que André Gomes tem sido sujeito no Barça, mas lembrou que um futebolista profissional tem de saber lidar com as críticas e os elogios.

"Faz parte do nosso trabalho e, depois, é uma questão de saberes lidar com uma coisa e com outra, e ter a personalidade e caráter de poder ultrapassar esses momentos mais difíceis. Quando jogas numa das melhores equipas do mundo, tens de estar sujeito à critica e ao elogio. Para mim, não é uma coisa do outro mundo, é uma coisa que existe no dia-a-dia", frisou.

A ação de reflorestação desta quarta-feira previa a plantação de 1.000 árvores num talhão do pinhal de Leiria, mas acabou cancelada devido ao mau tempo e o encontro entre Luís Figo e cerca de 60 crianças de um agrupamento de escolas da Marinha Grande foi mudado para o pavilhão dos bombeiros de Vieira de Leiria.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.