Luis Enrique confirma que vai tirar ano sabático

"Se deixo o Barcelona, onde tenho uma relação incrível com o clube e com os jogadores, não é para ir para outra equipa"

O treinador do FC Barcelona, o espanhol Luis Enrique, confirmou esta terça-feira que vai tirar um ano sabático depois de abandonar o clube catalão de futebol no final da temporada, por ter "necessidade de recuperar" das últimas três épocas.

"Se deixo o FC Barcelona, onde tenho uma relação incrível com o clube e com os jogadores, não é para ir para outra equipa. É porque tenho a necessidade de recuperar. Onde é que estaria melhor do que aqui?", explicou o técnico, de 46 anos, que anunciou há semanas que ia abandonar o 'Barça', que treina há três épocas e onde conquistou vários títulos, entre eles a Liga dos Campeões em 2015.

O antigo técnico dos italianos da Roma recusou ainda comentar a possibilidade do adjunto, Juan Carlos Unzué, assumir o comando dos catalães, por não querer interferir na escolha.

Na antevisão do encontro de quarta-feira com o Sevilha, da 30:º jornada da liga espanhola, Luis Enrique comentou ainda o sucedido no jogo da equipa secundária, que venceu o Eldense por 12-0 num encontro envolto em polémica por suspeitas de resultados combinados.

"É um tema muito delicado, que tem de ser tratado com seriedade, porque noutros países já vimos estas situações desagradáveis. O 'Barça' B não tem nada a ver com isto, é uma vítima de chantagem", defendeu o espanhol.

A polícia espanhola já deteve o treinador do Eldense e um responsável do clube por suspeitas de resultado combinado com o FC Barcelona B.

A investigação foi espoletada pela denúncia de um jogador da equipa, Cheik Saad, de que o resultado foi combinado por quatro companheiros de equipa, com a conivência do treinador.

O técnico Filippo Vito, detido na segunda-feira à noite, orienta a equipa desde janeiro, altura em que o clube passou a ser controlado por um grupo empresarial italiano, cujo responsável também foi preso.

A comissão de gestão do clube anunciou no domingo a desvinculação do grupo de investimento italiano e a suspensão da atividade desportiva de equipa principal, por suspeita de envolvimento de alguns jogadores em esquemas de viciação de resultados.

Em simultâneo, a comissão do Eldense pediu à Liga e a federação espanhola que investiguem o assunto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."