Luis Enrique confirma que vai tirar ano sabático

"Se deixo o Barcelona, onde tenho uma relação incrível com o clube e com os jogadores, não é para ir para outra equipa"

O treinador do FC Barcelona, o espanhol Luis Enrique, confirmou esta terça-feira que vai tirar um ano sabático depois de abandonar o clube catalão de futebol no final da temporada, por ter "necessidade de recuperar" das últimas três épocas.

"Se deixo o FC Barcelona, onde tenho uma relação incrível com o clube e com os jogadores, não é para ir para outra equipa. É porque tenho a necessidade de recuperar. Onde é que estaria melhor do que aqui?", explicou o técnico, de 46 anos, que anunciou há semanas que ia abandonar o 'Barça', que treina há três épocas e onde conquistou vários títulos, entre eles a Liga dos Campeões em 2015.

O antigo técnico dos italianos da Roma recusou ainda comentar a possibilidade do adjunto, Juan Carlos Unzué, assumir o comando dos catalães, por não querer interferir na escolha.

Na antevisão do encontro de quarta-feira com o Sevilha, da 30:º jornada da liga espanhola, Luis Enrique comentou ainda o sucedido no jogo da equipa secundária, que venceu o Eldense por 12-0 num encontro envolto em polémica por suspeitas de resultados combinados.

"É um tema muito delicado, que tem de ser tratado com seriedade, porque noutros países já vimos estas situações desagradáveis. O 'Barça' B não tem nada a ver com isto, é uma vítima de chantagem", defendeu o espanhol.

A polícia espanhola já deteve o treinador do Eldense e um responsável do clube por suspeitas de resultado combinado com o FC Barcelona B.

A investigação foi espoletada pela denúncia de um jogador da equipa, Cheik Saad, de que o resultado foi combinado por quatro companheiros de equipa, com a conivência do treinador.

O técnico Filippo Vito, detido na segunda-feira à noite, orienta a equipa desde janeiro, altura em que o clube passou a ser controlado por um grupo empresarial italiano, cujo responsável também foi preso.

A comissão de gestão do clube anunciou no domingo a desvinculação do grupo de investimento italiano e a suspensão da atividade desportiva de equipa principal, por suspeita de envolvimento de alguns jogadores em esquemas de viciação de resultados.

Em simultâneo, a comissão do Eldense pediu à Liga e a federação espanhola que investiguem o assunto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.