Luigi Di Biagio vai comandar seleção frente a Argentina e Inglaterra

O antigo futebolista vai comandar interinamente a seleção italiana nos jogos particulares frente a Argentina e Inglaterra, em março, anunciou esta segunda-feira a federação transalpina (FIGC).

"Na sequência da reunião tida na sede da FIGC, em Roma, com a presença do comissário extraordinário Roberto Fabbricini e do seu vice Alessandro Costacurta, foi decidido entregar a Luigi Di Biagio o comando técnico da seleção nos dois jogos internacionais do próximo mês de março, a 23 contra a Argentina, em Manchester, e a 27 com a Inglaterra, em Londres", lê-se no comunicado do organismo.

A squadra azzurra está sem selecionador desde a saída de Gian Piero Ventura, após falhar a qualificação para o Mundial2018, no play-off frente à Suécia, em novembro de 2017, numa altura em que decorre o período eleitoral, para a sucessão do presidente demissionário Carlo Tavecchio.

Em 29 de janeiro último, Cosimo Sibilia (presidente da Liga de Adeptos), Grabriele Gravina (presidente da Terceira Divisão) e Damiano Tommasi (presidente da Associação de Futebolistas) foram a votos, mas não conseguiram o apoio suficiente para a eleição, permanecendo sob administração do Comité Olímpico Nacional Italiano (CONI).

O antigo internacional Luigi Di Biagio, de 46 anos, que esteve presentes nos Mundiais de 1998 e 2002 e no Euro2000, orientou as seleções italianas de sub-20 e sub-21, depois de, durante a carreira futebolística, ter alinhado em clubes como Lazio, Monza, Foggia, Roma, Inter Milão, Brescia e Ascoli.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.