Lopetegui vai privilegiar a "evolução à revolução" na seleção de Espanha

Escolha do ex-treinador do FC Porto foi "uma boa opção" considera o antecessor Del Bosque

Julen Lopetegui, o ex-treinador do FC Porto que esta quinta-feira foi anunciado como novo selecionador de futebol de Espanha, revelou que privilegiará a "evolução à revolução" na equipa até agora dirigida por Vicente del Bosque.

"A base da seleção é mais ou menos clara. Muitos (jogadores) estão na sua plenitude e vão aparecer novas opções por mérito próprio. Não existirá revolução, mas evolução", resumiu, na sua apresentação como selecionador até 2018.

O técnico, que nos 'dragões' não conquistou qualquer troféu em ano e meio, assegura que "há jogadores que podem aparecer e ajudar", assumindo que "terão a sua oportunidade".

Vicente del Bosque considerou que a escolha de Julen Lopetegui foi uma "boa opção", revelando que nada teve a ver com a sua sucessão.

"Não tinha ideia quais as opções. O presidente é quem ia escolher e fez uma boa opção. Agora, como toda a gente, quero desejar o melhor ao novo selecionador", disse o técnico cessante, que foi campeão da Europa (2012) e do Mundo (2010) pela 'roja'.

O basco de 49 anos, que tinha sido treinador de seleções jovens de Espanha, conquistando um título europeu de sub-21 e dois de sub-19, deixou o FC Porto no início do ano, quando foi substituído por José Peseiro, depois de uma época e meia em que não conquistou qualquer título.

"É um homem com preparação, grande entusiasmo e uma vitalidade enorme. Estou certo de que o Julen tem a capacidade e o entusiasmo para vencer o desafio", reforçou Del Bosque.

Quanto ao seu futuro na federação espanhola, o técnico de 65 anos deixou claro que agora a prioridade é o novo selecionador.

"Estarei perto para o que me pedirem, mais nada. O novo selecionador é ele e tem toda a autoridade. Tem a nossa confiança e apoio para que desenvolva a sua função da melhor forma possível", sublinhou.

O presidente da federação, Ángel María Villar, acredita que a seleção vai ter "muitos êxitos" sob o comando técnico de Lopetegui.

"Vai estar em funções até à classificação do Mundial da Rússia2018. Desejo-lhe muitíssima sorte. Os seus êxitos serão os do futebol espanhol. Estou certo de que vamos ter muitos êxitos com Lopetegui", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.