Julen Lopetegui renova até 2020

A Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) anunciou esta terça-feira a renovação do contrato com o selecionador até 2020.

O anúncio da renovação com o antigo treinador do FC Porto foi feito em conferência de imprensa, na qual marcaram presença, além de Lopetegui, o diretor desportivo e o presidente da RFEF, Fernando Hierro e Luis Rubiales, respetivamente.

"Não podíamos deixar escapar o Julen, ele e a sua equipa fizeram um trabalho sensacional. É um dia feliz. Demorámos muito pouco tempo, cinco minutos, foi muito fácil, porque a admiração profissional, o respeito pelo trabalho e pela sua equipa é o máximo e ele o melhor para conduzir a nossa seleção", afirmou Rubiales.

O presidente da RFEF assumiu "enorme esperança" no Mundial 2018, assumindo partir "como dirigentes e também como adeptos à espera do máximo".

"Ter esta confiança, para a continuidade, é sempre positivo. [A renovação] Não era algo que nos tirasse o sono, os treinadores trabalham no momento e as coisas acontecem quando têm de acontecer, como foi o caso. Estamos concentrados, trabalhámos durante dois anos para devolver a confiança à equipa e vamos continuar a trabalhar da mesma forma", frisou Lopetegui.

A Espanha é adversária de Portugal no grupo B do Mundial 2018, juntamente com as seleções de Marrocos e do Irão. As duas seleções ibéricas defrontam-se, em Sochi, a 15 de junho.

Lopetegui, de 51 anos, assumiu o cargo de selecionador em julho de 2016, seis meses depois de ter deixado o FC Porto, sucedendo a Vicente del Bosque, que levou a roja à conquista do título mundial em 2010 e europeu em 2012.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."