Liga saúda recuo do PSD

Organismo congratula-se com o recuo do partido em apresentar uma proposta para a transferência das competências de elaborar os regulamentos de arbitragem e disciplina das ligas profissionais para a FPF

Num longo comunicado emitido esta quarta-feira, a Liga Portugal congratulou-se com o recuo do PSD em apresentar uma proposta para a transferência das competências de elaborar os regulamentos de arbitragem e disciplina das ligas profissionais para a Federação Portuguesa de Futebol.

Eis o comunicado na íntegra:

"Assumindo a defesa do edifício jurídico que regula o desporto nacional, a Liga Portugal anunciou, ontem, que não deixaria passar desapercebida a intenção de espoliar os clubes das competições profissionais dos seus direitos e liberdades de autorregulação.
Esse intento foi promovido por um grupo parlamentar através de uma proposta de alteração das bases do sistema desportivo nacional, surgida à última hora e subtraída à apreciação pública.
O recuo nessa sinistra intenção, que acaba de ser noticiado, é a demonstração irrefutável de que as manobras ardilosas de contornos obscuros não resistem à luz clarificadora do escrutínio público.
A reação, que hoje nos chega de todos os quadrantes, de apoio inequívoco à posição firme da Liga Portugal, não nos surpreende e reforça o nosso propósito de promover o desporto nacional e a sua progressiva profissionalização.
Permite-nos, ainda, congratularmo-nos com a constatação de que um Estado de Direito democrático, servido por uma Imprensa livre e atenta, ainda é a melhor garantia da regularidade do processo legislativo e o melhor antídoto contra a promoção de agendas encomendadas.
O percurso que o Futebol Português vem fazendo há décadas, de separação e profícua cooperação entre o desporto profissional e amador, um trajeto único - mas não irrepetível - no desporto pátrio, é um dos segredos para o sucesso dos nossos clubes e das nossas seleções na Europa e no mundo.
É inegável que apenas a conjugação entre o papel formador das competições amadoras com as funções de apuramento técnico e progressiva introdução aos níveis mais exigentes do futebol profissional desempenhadas pela Ledman LigaPro e pelas equipas B que nela militam, permite a existência de uma Liga NOS e uma Seleção A com os retumbantes sucessos a que já nos habituaram.
Esta página que agora viramos com a retirada da proposta de emenda ao projeto lei, é bem demonstrativa da vitalidade do futebol profissional e, na iminência de celebrar o seu 40.º aniversario, da própria Liga Portugal.
Expressamos, desta forma, uma saudação à capacidade de reação das sociedades desportivas que ontem prestaram um extraordinário apoio, sem reservas, em todo o processo de contestação ao que apelidámos de tentativa de golpe no futebol português.
Por fim, anunciamos que a Direção Executiva da Liga Portugal reunir-se-á, em breve, com as sociedades desportivas que representa para traçar o percurso que o futebol profissional deve seguir."

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.