Margaret River Pro cancelada por causa dos tubarões

O cancelamento foi motivado, sobretudo, pelo ataque de tubarões brancos a dois surfistas locais, ocorrido numa praia a cerca de seis quilómetros de Margaret River

A Liga Mundial de Surf (WSL) anunciou hoje o cancelamento da terceira etapa do circuito mundial, o Margaret River Pro, devido à presença de tubarões nas proximidades da praia australiana, onde decorria a competição.

"Avaliámos a situação, conversámos com os atletas, com as autoridades locais, antes de tomar a decisão", refere a WSL em comunicado, acrescentando: "Margaret River é uma parte fantástica do mundo, mas a presença desta raça agressiva leva-nos a tomar esta decisão".

No comunicado, a WSL refere que "o surf é um desporto com vários" perigos e que "os tubarões são uma realidade ocasional em algumas competições" e lembra que "houve incidentes no passado, e é possível que surjam mais no futuro".

O português Frederico Morais, 'Kikas', terminou a prova na segunda-feira, no 25.º lugar, após ter sido eliminado na repescagem pelo sul-africano Michael February

O cancelamento, que ditou a distribuição de pontos até à terceira ronda, foi motivado, sobretudo, pelo ataque de tubarões brancos a dois surfistas locais, ocorrido numa praia a cerca de seis quilómetros de Margaret River.

O surfista brasileiro Gabriel Medina já tinha admitido que não se sentia seguro após o ataque ocorrido perto do local da terceira etapa da liga mundial de surf. Agora aplaude a decisão da organização. "Agradeço à WSL que em primeiro lugar se preocupou com a segurança de todos os atletas e cancelou o evento, devido aos últimos acontecimentos. Obrigado e até ao próximo evento", escreveu o atleta nas redes sociais.

O português Frederico Morais, 'Kikas', terminou a prova na segunda-feira, no 25.º lugar, após ter sido eliminado na repescagem pelo sul-africano Michael February.

No sexto 'heat' da segunda ronda, Frederico Morais, 11.º do 'ranking' mundial, conquistou 9,17 pontos (4,5 e 4,67), contra os 12,73 (6,33 e 6,40) do substituto do australiano Mick Fanning no circuito, que ocupava o 26.º da hierarquia.

Após os três campeonatos na Austrália, o circuito vai regressar entre 11 e 20 de maio, com o Oi Rio Pro, no Rio de Janeiro, no Brasil, onde 'Kikas' foi 13.º no seu ano de estreia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.