Lewis Hamilton já deixou um sério aviso aos rivais

Campeão fez o melhor tempo da primeira semana de testes, por larga margem

Depois de ter feito apenas 25 voltas nos primeiros três dias da primeira sessão de testes de pré-temporada, o campeão do mundo em título, Lewis Hamilton, aproveitou ontem o último dia de rodagem no circuito da Catalunha para deixar desde já um sério aviso à concorrência: a Mercedes volta a partir como favorita para um quinto título consecutivo no Mundial de Fórmula 1, que arranca no próximo dia 25, na Austrália.

É certo que os testes de pré-época não permitem aferir com exatidão o potencial competitivo dos diferentes carros - porque as estratégias das equipas podem divergir no que toca a pneus, configurações técnicas ou quantidade de combustível, por exemplo -, mas o tempo afixado pelo britânico deixa indicadores preocupantes para os principais rivais na luta pelo título.

Lewis Hamilton rodou em 1.19,333 minutos na sua volta mais rápida, meio segundo mais rápido do que o segundo melhor tempo do dia, do belga Stoffel Vandoorne (McLaren), e uns três décimos melhor do que Sebastian Vettel fizera com o seu Ferrari no segundo dia de testes em Barcelona. O mais impressionante ainda é que o piloto inglês, tetracampeão mundial, conseguiu essa volta com pneus médios, enquanto o tempo de Vettel, por exemplo, foi obtido com pneus macios (que permitem tempos mais rápidos) e o de Vandoorne com pneus hipermacios.

Num dia em que o mau tempo finalmente deu algumas tréguas no circuito catalão (na véspera tinha até nevado), a Mercedes deu sinais de estar num patamar acima, enquanto a McLaren (de Vandoorne e Alonso) aproveitou para mostrar fiabilidade e rodou 161 voltas.

Sebastian Vettel, que ontem se ficou por 1.20,241 com pneus macios (aquém do tempo que fixara no segundo dia), disse ter ficado com uma "boa primeira impressão" do seu Ferrari, mas reconheceu que os Mercedes "são os favoritos". Ainda assim, acredita que vai ser "uma luta apertada, muito apertada". A segunda e última sessão de testes de pré-época volta a ter lugar na Catalunha, na próxima semana (de 6 a 9).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.