Koeman lamenta renúncia de Bas Dost à seleção

O selecionador da Holanda de futebol lamentou hoje a decisão de Bas Dost de não voltar a representar a equipa nacional, mas mostrou-se satisfeito com o facto de o avançado do Sporting lhe ter comunicado a resolução pessoalmente.

"Bas falou comigo pessoalmente, acho que isso é bom. Lamento que ele queira parar, certamente ainda havia um papel para ele na equipa nacional", disse Ronald Koeman em declaração ao jornal holandês AD, o mesmo ao qual o avançado 'leonino' anunciou a decisão.

Koeman lembrou que, quando assumiu a seleção, há pouco mais de dois meses, disse que gostaria de utilizar Bas Dost nos primeiros jogos.

Numa entrevista publicada hoje no AD, Bas Dost disse que não está disponível para voltar a representar a seleção da Holanda, na qual sente que "simplesmente não funciona".

"Nunca correu bem com a seleção, por qualquer motivo. Cheguei ao momento em que tenho de dizer 'até aqui e não mais longe'. Simplesmente não funciona", acrescentou o avançado que em março, jogou 66 minutos frente à Inglaterra (derrota por 1-0) e foi suplente não utilizado frente a Portugal.

Ronald Koeman garantiu que vai respeitar a decisão de Bas Dost e que percebe que o jogador tem "essa sensação há algum tempo".

Depois de se estrear em 2015 pela 'laranja', Dost alinhou em 18 jogos pela equipa principal do seu país, com apenas um golo marcado, numa vitória sobre o País de Gales (3-2), num particular.

Segundo o antigo jogador de Wolfsburgo e Heerenveen, a decisão foi "discutida com pessoas próximas" e, tendo sido já "pensada há bastante tempo", é final, mesmo que seja "difícil de perceber porque é que nunca resultou".

O avançado chegou ao Sporting em 2016, proveniente dos alemães do Wolfsburgo, e desde então apontou 68 golos em 84 jogos oficiais pelos 'leões', incluindo 59 tentos em 57 jogos na I Liga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.