José Peseiro assume comando técnico do V. Guimarães

Segundo O Jogo, o treinador português vai substituir Pedro Martins, despedido após a goleada sofrida no dérbi frente ao Sp. Braga. Vítor Campelos, que ocupava o cargo interinamente, regressa à equipa B

Segundo escreve O Jogo, José Peseiro já estará esta quarta-feira à tarde no Complexo desportivo do V. Guimarães para orientar o seu primeiro treino enquanto treinador dos minhotos.

O técnico de 57 anos, estava sem clube desde outubro - depois de ter dirigido o Al Sharjah, dos Emirados Árabes Unidos -, e deverá rubricar contrato válido, pelo menos, até ao final da temporada. Em entrevista ao DN publicada a 4 de fevereiro, o antigo treinador de Sporting, FC Porto e Sp. Braga disse que trabalharia "em Portugal neste momento só em clubes que disputem títulos"

Vítor Campelos, que ocupou o cargo interinamente por dez dias depois de Pedro Martins ter sido despedido após a goleada sofrida em casa diante do vizinho e rival Sp. Braga (0-5), vai voltar ao comando técnico da equipa B.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.