José Pereira culpa "incompetência dos dirigentes" pelas 'chicotadas'

O presidente da Associação Nacional de Treinadores de Futebol (ANTF) criticou a elevada onda de despedimentos da I Liga

O presidente da Associação Nacional de Treinadores de Futebol (ANTF), José Pereira, criticou esta quarta-feira os presidentes dos clubes portugueses da I Liga, responsabilizando-os pelo número recorde de 17 mudanças de técnicos desde o início desta temporada.

Em declarações prestadas à margem do primeiro dia do congresso Football Talks, organizado pela Federação Portuguesa de Futebol e que decorre até sexta-feira no Centro de Congressos do Estoril, o líder da classe dos treinadores pediu também "maior exigência" aos seus colegas na hora de aceitarem novos desafios.

"A incompetência dos dirigentes é a explicação. Os dirigentes não sabem escolher, não procuram coordenar o perfil do clube e da equipa com o do treinador, e de uma forma irresponsável substituem assim os treinadores com esta facilidade", afirmou.

No entender de José Pereira, a solução não passa por criar mecanismos legais que limitem a mudança de treinadores, mas sim por uma renovação da mentalidade dos dirigentes.

"A melhor solução para proteger o treinador é termos dirigentes à altura da missão que desempenham", disse.

O dirigente da ANTF apelou também para a importância de se fazer uma reflexão sobre os atuais números das 'chicotadas psicológicas' na Liga portuguesa.

"Isto é de uma irresponsabilidade que importa refletir no sentido de apaziguar um pouco esta situação, de modo a que se dignifiquem eles próprios e a carreira do treinador. Um treinador não pode ser um tarefeiro que se despede de um momento para o outro", frisou.

Sem deixar de apontar o dedo à "forma ridícula" como se despedem treinadores e à falta de tempo que há para desenvolver o trabalho, José Pereira garantiu ainda estar à espera de uma inversão da atual tendência na próxima temporada, que considerou "uma exceção pelo seu número exagerado".

"Esperemos bem que seja, de facto, uma exceção e que as pessoas assentem e se compenetrem na gestão do clube, de modo a que todos possamos prestigiar o futebol português. Espero que diminua na próxima época, se não acontecer ainda mais nenhum sobressalto nesta que está a decorrer", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.