José Manuel Constantino apoia reforço de verba do Governo para Tóquio2020

O presidente do Comité olímpico Português (COP) considerou hoje ser "uma boa notícia" a aprovação pelo Conselho de Ministros do aumento da despesa de 16 para 18,5 milhões para o programa de preparação olímpica para Tóquio2020.

"O Governo entendeu que havia razões para reforçar a dotação, tendo em conta as propostas apresentadas pelo COP para o ciclo 2018/2021", disse José Manuel Constantino à agência Lusa, quando instado a comentar a decisão governamental.

O presidente do COP também se regozijou com a verba suplementar de 650 mil euros de aditamento ao projeto olímpico Rio2016, que só expira no final de dezembro de 2017: "Neste ano de continuidade, até se iniciar o novo programa, é preciso apoiar atletas, treinadores e federações. Em ciclos anteriores não havia este ano de ligação entre o ciclo de que termina e o que se inicia, e faz todo o sentido que haja".

Segundo José Manuel Constantino, o reforço à dotação inicial para o ciclo Rio2016 deveu-se ao aumento significativo do número de atletas que integraram o projeto em 2017 e que tornaram a verba prevista insuficiente".

O Conselho de Ministros autorizou hoje uma despesa de 18,5 milhões de euros para o programa de preparação olímpica para Tóquio2020 e de 6,9 milhões de euros para o programa paralímpico.

De acordo com o comunicado do Conselho de Ministros de hoje, estes montantes correspondem a "aumentos substanciais relativamente às verbas dos programas para o Rio2016".

O contrato-programa para os Jogos Olímpicos Rio2016 contemplava um valor de 16 milhões de euros e para os paralímpicos de 3,8 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).