Morto a tiro jornalista que denunciou corrupção no futebol africano

O jornalista ganês Ahmed Hussein-Suale, que investigou um mega esquema de corrupção no futebol africano, foi morto a tiro na quarta-feira quando voltava para casa. Tinha 34 anos. Um deputado do partido no poder tinha posto a sua cabeça a prémio

Segundo as mesmas fontes, que citam colegas da equipa de investigação que integrava, a Tiger Eye, o jornalista foi morto com três tiros, na quarta-feira à noite, em Madina, na capital ganesa, Accra, quando voltava para casa.

De acordo com as fontes, o jornalista "foi baleado e morto" por homens, ainda não identificados, que seguiam numa motorizada.

Segundo a AFP, Ahmed Hussein-Suale participou numa investigação sobre a corrupção no futebol africano.

A Tiger Eye é liderada pelo conhecido jornalista Anas Aremeyaw Anas, que confirmou a morte do colega, referiu ter perdido "um irmão" e prometeu que a equipa que dirige "não vai remeter-se ao silêncio".

O jornalista assassinado, de 34 anos, tinha apresentado queixa na justiça recentemente, depois de um deputado do partido no poder ter divulgado uma foto sua na televisão estatal oferecendo uma recompensa a quem o espancasse.

A comissão nacional dos media condenou o assassínio e apelou à polícia para iniciar uma investigação aprofundada.

"É do interesse do país deter os autores deste crime, referiu o presidente da comissão, Yaw Boadu Ayeboafo.

O documentário "Number 12", divulgado em junho de 2018, mostrou, através de jornalistas infiltrados, o envolvimento de dezenas de árbitros ganeses e de outros países africanos, e de dirigentes da Federação de Futebol ganesa, incluindo o presidente, Kwesi Nyantakyi, num esquema de corrupção.

O documentário revela negociações mantidas com potenciais "investidores", que, em troca de contratos lucrativos com o governo ganês, ofereciam presentes no valor de milhões de dólares.

O presidente da federação ganesa demitiu-se do cargo logo após a divulgação do documentário, tendo sido acusado de corrupção em outubro e proibido pela FIFA de exercer qualquer atividade relacionada com o futebol, além de ter pagado 440 mil euros de multa.

Na sequência do escândalo, mais de 50 árbitros africanos foram também suspensos da Confederação Africana de Futebol (CAF).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.