Jorge Jesus pede aos adeptos para darem força

Treinador do Sporting e o homólogo avense José Mota anteviram este sábado, juntos, a final da Taça de Portugal, que se realiza este domingo às 17.00

Os treinadores de Sporting e Desp. Aves, Jorge Jesus e José Mota, confraternizaram este sábado, na véspera da final da Taça de Portugal (17.15), que vai ser jogada pelos dois clubes, e juntos pediram para que os adeptos desfrutem da festa e apoiem as respetivas equipas.

"A força do Sporting é a massa associativa, gostava que o Jamor estivesse praticamente todo pintado de verde, pensando os adeptos que amanhã vêm ver o clube deles, que se foquem na sua paixão, não olhem para as rivalidades. Os rivais são o nosso adversário ", começou por dizer o técnico leonino, apontando para José Mota, num vídeo partilhado pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF). "Que possam desfrutar e continuem com as suas formas de comunicação com a equipa, a que estamos habituados, para que os jogadores do Sporting se sintam mais seguros e mais fortes para fazer um bom jogo", acrescentou.

Já o treinador dos avenses desejou que os adeptos "aproveitem ao máximo esta festa" e pediu-lhes "gargantas afinadas". "Que façam uma excelente viagem, que saibam usufruir deste espaço e contribuir", vincou, frisando que o dia da final da Taça de Portugal "é um dia de grande alegria para todos os adeptos do futebol".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.