Jonas, Bas Dost e as outras dependências nas ligas europeias

O brasileiro tem 44,9% dos golos do Benfica e o holandês 43,1%. Só Nils Peterson tem mais importância na Europa

Jonas e Bas Dost têm sido autênticos abonos de família de Benfica e Sporting, respetivamente, responsáveis por uma grande fatia dos golos das suas equipas. O brasileiro, melhor marcador da Liga com 31 golos, contabiliza 44,9% dos golos dos encarnados no campeonato, enquanto o holandês tem contribuído com 43,1% dos remates certeiros dos leões.

Na Liga portuguesa há apenas outro jogador com tão grande peso na produção ofensiva da sua equipa. Trata-se do extremo brasileiro Raphinha, que contribuiu com 14 golos, o que representa 42% da produção ofensiva do Vitória de Guimarães. Curiosamente, o FC Porto, líder do campeonato nacional, não tem dependido apenas de um jogador, pois os melhores da equipa de Sérgio Conceição, Marega (20 golos) e Aboubakar (15), representam sozinhos 29,4% e 22% da produção atacante dos dragões. Ou seja, os dois juntos têm 51,4% do total da equipa.

Levando em conta o rendimento de todos os pontas-de-lança dos três candidatos ao título, verificamos que é o FC Porto que mais depende dos homens mais adiantados, pois Soares contabiliza oito golos, o que, juntando aos de Marega e Aboubakar, totaliza 43 dos 68 golos da equipa, algo que representa um peso de 63,2%. No Benfica também há uma grande importância dos pontas-de-lança às ordens de Rui Vitória, pois, além de Jonas, o habitual titular, é preciso contabilizar ainda os quatro golos de Seferovic e os três de Raúl Jiménez, que perfazem 38 remates certeiros, ou seja, 55% do total da equipa.

Menor influência têm os outros avançados do Sporting na contabilidade da equipa de Jorge Jesus, pois Fredy Montero e Rafael Leão apenas marcaram um golo cada na Liga, que, juntamente com Bas Dost, representam 47% do total da equipa.

Há ainda um aspeto a ter em conta em relação a Jonas e que tem que ver com o facto de os seus 31 golos marcados representarem mais do que o total de dez das 18 equipas da Liga, enquanto Bas Dost tem mais dois marcados do que o ataque do Moreirense e tantos remates certeiros como a equipa do Belenenses.

Ronaldo e Messi distantes

O peso de Jonas e de Bas Dost nos respetivos clubes está claramente acima da realidade dos restantes campeonatos disputados na Europa. Aliás, apenas o alemão Nils Petersen tem mais importância na sua equipa, o Friburgo, da Bundesliga, tendo marcado 12 dos 25 golos da equipa, o que representa um impacto de 48%.

De resto, apenas Bafétimbi Gomis, no Galatasaray, e Harry Kane, no Tottenham, têm um peso acima dos 40% nas respetivas equipas, com o francês a atingir os 40,9% do total de golos do clube de Istambul no campeonato turco, enquanto o internacional inglês atinge os 40,6% da produção ofensiva do emblema londrino na Premier League.

Os melhores jogadores do mundo, Cristiano Ronaldo e Messi, que se têm destacado época após época com vários recordes, surgem desta vez bem atrás dos dois melhores marcadores da Liga portuguesa. O português, que teve um início de temporada menos produtivo do que o habitual, leva 18 golos na Liga espanhola, apenas 26,8% do total do Real Madrid. Já o argentino, melhor marcador do campeonato do país vizinho, com 27 golos, tem apenas uma influência direta de 33,3% da produção atacante do Barcelona.

Em comparação com os goleadores das outras melhores ligas europeias, Ciro Immobile é aquele que tem maior peso numa equipa, pois marcou 24 dos 66 golos da Lazio na Série A italiana, o que equivale a uma fatia de 36,3%, superando o polaco Robert Lewandowski, que fez 23 dos 65 remates certeiros do Bayern Munique (35,3%) na Bundesliga, e ainda o egípcio Mohamed Salah, que assinou 24 dos 68 remates certeiros do Liverpool na Premier League (35,2%).

PSG depende do tridente

Uma nota para o Paris Saint-Germain, que tem o ataque mais produtivo dos campeonatos europeus com 91 golos, sendo o uruguaio Edinson Cavani o avançado com a pontaria mais afinada, contabilizando 24 remates com sucesso, o que, no entanto, apenas representa 26,3% do total de golos da equipa treinada pelo espanhol Unai Emery.

A grande base do sucesso goleador dos parisienses está no tridente ofensivo que, além de Cavani, é ainda composto pelo brasileiro Neymar (19 golos) e o francês Kylian Mbappé (11), pois todos juntos atingem um total de 54 remates certeiros, ou seja, 59,3% do total da produção da equipa. Este trio sofreu entretanto a baixa de Neymar por lesão, que tem sido rendido por Angel Di María, que à sua conta leva oito remates certeiros na liga francesa.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.