Muller diz que não há "desculpas" com chegada de Heynckes

O futebolista alemão afirmou esta quinta-feira que o plantel do Bayern Munique "não tem desculpas" depois da mudança de treinador, admitindo que tal permitiu "libertar a energia" acumulada com Ancelotti

O internacional alemão revelou que Heynckes continua a "manter uma aura sagrada" e que este "tem transferido muita energia positiva aos jogadores", com sessões de treino "intensivas e divertidas", em declarações proferidas à AFP, no âmbito de um evento organizado pelo principal patrocinador do clube bávaro.

"O que precisamos de mudar? Os resultados. Vamos discutir internamente, pois não podemos revelar esse tipo de coisas nos meios de comunicação", acrescentou.

Questionado sobre eventuais problemas com o antigo técnico, o italiano Carlo Ancelotti, Muller optou por evitar polémicas, admitindo apenas que "as coisas não foram 100% bem-sucedidas" e que os jogadores também são culpados, pois "houve falhas individuais devido a dificuldades de concentração".

"Agora, temos obrigatoriamente de ser mais rigorosos coletivamente", reconheceu.

Jupp Heynckes, de 72 anos, foi apresentado na segunda-feira como novo treinador do Bayern Munique, clube que vai representar pela quarta vez na carreira como treinador, sucedendo a Carlo Ancelotti, que foi afastado devido ao mau início de época da equipa bávara.

Heynckes, que treinou o Benfica em 1999/2000 e 2000/2001, já conduziu o Bayern de Munique à conquista de uma Liga dos Campeões (2013), três campeonatos alemães (1988/89, 1989/90 e 2012/2013), três supertaças germânicas (1987, 1989 e 2012) e uma Taça da Alemanha (2012/2013).

O Bayern de Munique ocupa atualmente o segundo lugar do campeonato alemão com 14 pontos, a cinco do líder Borussia Dortmund, estando também inserido no grupo B da Liga dos Campeões, no qual ocupa o segundo lugar, a três pontos do primeiro classificado, o Paris Saint-Germian, com seis pontos conquistados em duas jornadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.