Jogadores do Rio Ave sentiram "honra e dignidade postas em causa"

"Estamos perfeitamente cientes que fizemos o nosso trabalho", garante o avançado Gil Dias

Os jogadores do Rio Ave sentiram a sua "honra e dignidade postas em causa", na sequência dos incidentes com as apostas desportivas, na partida de segunda-feira, frente ao Feirense, da I Liga portuguesa de futebol.

A ideia foi transmitida pelo avançado da equipa da foz do Ave, Gil Dias, partilhando que o plantel não gostou das notícias veiculadas sobre suspeições de viciação de resultado nesse desafio.

"Gostava perguntar às pessoas que trabalham como nós como se sentiriam se pusessem em causa a vossa honra e a vossa dignidade depois do que aconteceu?", partilhou o atacante, à margem de uma visita feita pelo clube à Escola EB1 de Vila do Conde.

Gil Dias considerou, ainda assim, que "foi feito um grande filme à volta deste assunto", assegurando que o grupo de trabalho só no dia seguinte tomou consciência da dimensão mediática do caso.

"Quando estamos num jogo não ligamos ao que vem de fora. Estávamos apenas focados no objetivo de conquistar os três pontos", afirmou.

O jovem avançado do Rio Ave assegurou, no entanto, que nem a derrota averbada nesta partida frente ao Feirense [1-0], nem a polémica relativa ao caso das apostas afetou a confiança da equipa.

"Estamos perfeitamente cientes que fizemos o nosso trabalho e que o grupo está unido. Nada nos afetou e só estamos a pensar no próximo jogo, frente ao Marítimo, em que temos o objetivo de vencer para nos aproximarmos do adversário na classificação", vincou Gil Dias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?