"Alguns tinham espuma a sair-lhes pela boca"

Os malteses levantam suspeitas de dopping aos adversários que os derrotaram por 12-1. "Alguns tinham espuma a sair-lhes pela boca", acusam

12 a 1 foi o resultado que ainda hoje marca jogadores e selecionadores de Malta, que viram a seleção espanhola "trucidarem-nos" num jogo a contar para o apuramento do Campeonato da Europa de 1984, em França. Sim, o jogo aconteceu a 21 de dezembro de 1983, no Benito Villamarín, o estádio do club Real Betis Balompié, localizado na cidade de Sevilha, e ainda não foi esquecido pelos protagonistas derrotados do desafio.

No programa espanhol dedicado ao desporto, Fiebre Maldini, Scerri, ex-selecionador maltês, e os jogadores Bussutil, Fabri e Demanuele fizeram questão de falar sobre a partida e de levantarem a suspeita de que os jogadores espanhóis estariam sob o efeito de dopping, facto que justificaria o resultado avultado.

"Tenho um irmão que era culturista e sabia o que acontecia quando alguém tomava esteroides. A energia dos jogadores espanhóis era fora do normal. Alguns tinham espuma a sair-lhes pela boca, saía-lhes um líquido ácido da boca e não paravam de beber água. Sei o que se acontece quando alguém toma esteroides", sublinhou Demanuele, autor do tento de honra maltês no jogo.

Para além disto, os jogadores malteses acreditam que eles próprios possam ter sido drogados.... com limões. "Entrou um senhor baixinho, vestido de branco, e ofereceu-nos uma bandeja de limões, cortados. Foi a única coisa que nos ofereceram. Os jogadores chupavam os limões e depois sentiam-se mal. Perguntei a mim mesmo: 'será que nos drogaram?'. Não tínhamos provas, mas espero que Espanha não tenha feito nada disso. Se tal aconteceu, então o futebol está totalmente acabado", contou Scerri, na mesma reportagem.

Em campo, nesse dia, estava José António Camacho, antigo treinador do Benfica, e à altura, capitão da seleção espanhola. Foi ele quem rapidamente saiu em defesa dos seus companheiros, acusando os adversários de estarem "senis".

"Estão a demonstrar que têm muito pouca categoria. Nunca tomámos nada. Isso da espuma parece-me, não sei... Quando se chega a uma certa idade começa-se a ficar senil, é isso que está a acontecer com eles", apontou o treinador espanhol, em declarações ao jornal Marca.

Quanto à história dos limões, que teriam sido oferecidos por "um senhor baixinho de branco" e que deixaram os malteses a vomitar, Camacho desvaloriza. "Parece-me uma loucura, algo injustificado. Estão todos feitos uns com os outros para dizerem isso. Que entrou um homem de branco oferecendo limões... Ora, não os aceitem".

A verdade é que, dopados ou não, a seleção espanhola de Miguel Muñoz classificou-se para o Europeu de 1984, tendo chegado à final onde perdeu frente à França.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.