Jogador do Canelas agride árbitro e jogo acaba aos três minutos

Árbitro teve de ser assistido pelo INEM. Polícia teve de entrar em campo

O encontro entre o Sport Rio Tinto e Canelas 2010, da 3.ª jornada da fase de subida da Divisão de Elite da Associação de Futebol do Porto, durou apenas três minutos, depois de um jogador da equipa gaiense ter agredido um atleta da formação da casa e o árbitro.

Segundo fonte do Rio Tinto, "num dos primeiros lances da partida, o jogador Marco, do Canelas, agrediu um jogador da equipa da casa e imediatamente o árbitro mostrou o cartão vermelho", a partir daí gerou-se a confusão.

"Depois de ter recebido a ordem de expulsão, o jogador rodeou o árbitro e agrediu-o com violência, com uma joelhada, atirando-o ao chão. Foi socorrido de imediato e ele próprio chamou o INEM para ser assistido no local, pois tudo leva a crer que partiu o nariz", esclareceu ainda em declarações à agência Lusa.

A polícia entrou em campo para serenar os ânimos, acompanhando Marco na saída do retângulo de jogo.

Também contactado pela Lusa, Luciano Gonçalves, presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), classificou o ato como "vergonhoso" e alertou que situações como esta não devem voltar a acontecer.

"O que aconteceu é vergonhoso para o futebol e não pode voltar a acontecer. As instâncias têm que pôr mão nisto de alguma forma. Estas situações estão a passar o âmbito desportivo e têm que terminar. Porque corremos o risco que um dia apareça um árbitro morto num qualquer relvado", começou por dizer o dirigente.

Luciano Gonçalves explicou ainda que situações como esta têm sido recorrentes e que a necessidade de agir com "medidas severas" tornou-se imperativo.

"Sinto que estão a querer desvalorizar um assunto muito grave e, atendendo à gravidade das questões que têm vindo a acontecer, é necessário procurar em todas as instâncias soluções para colocar um ponto final nisto de uma vez por todas", esclareceu ainda.

Após o incidente, ficou definido que não estavam reunidas as condições de segurança para que o jogo continuasse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".